Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

14/08/2013 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Justiça absolve irmão de Ronaldinho de lavagem de dinheiro e sonegação

Roberto de Assis Moreira também é empresário do jogador de futebol. Em 2012, ele foi condenado a cinco anos e cinco meses de prisão.

Roberto de Assis Moreira, irmão e empresário do jogador Ronaldinho Gaúcho, foi absolvido nessa terça-feira (13) dos crimes de lavagem de dinheiro e sonegação de impostos, processo pelo qual havia sido condenado em primeira instância na Justiça Federal, em abril de 2012. A decisão unânime foi da sétima turma do Tribunal Regional Federal da 4ª região, em Porto Alegre.

Na decisão, a juíza Salise Monteiro Sanchotene entendeu que não há qualquer tipo de crime na denúncia do Ministério Público Federal na qual Assis teria sonegado informações ao Banco Central sobre uma movimentação financeira de US$ 884 mil do exterior para o Brasil, em 2003.
“Ainda que o acusado tenha mantido algum saldo na conta durante o ano, com a possibilidade de, ao final do exercício, ter efetuado saques e deixado a conta "zerada" ou mesmo se o saldo remanescente, resulta inferior ao valor obrigatório de declaração, não há falar em ilícito penal”, diz a ementa do processo.

No ano passado, o empresário foi condenado a cinco anos e cinco meses de prisão no regime semiaberto. Os advogados de Assis, Sérgio Queiroz e Antônio Pitombo, estavam presentes na sessão desta quarta-feira (13). Queiroz diz que a decisão fez justiça. “Não se trata de comemorar. É uma questão técnica onde se fez Justiça com o cliente. Os desembargadores, por unanimidade, entenderam que não houve qualquer tipo de crime.”

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 115 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal