Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIFICAÇÃO DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 16/08/2018 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

08/08/2013 - Público.pt - Última Hora Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraude do BPN foi construída “com à-vontade cirúrgico e com gente de poder envolvida”

Por: Ana Henriques

Na sua primeira entrevista após ter deixado o DCIAP, Cândida Almeida acusa o ex-procurador-geral da República de não a ter apoiado quando mais precisou.

A fraude do BPN foi construída “com todo o à-vontade científico e cirúrgico” e “com gente de poder envolvida”. Na sua primeira entrevista depois de ter deixado a chefia do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), dada nesta quinta-feira ao Diário Económico, Cândida Almeida não se coíbe de falar de um caso que envolve corrupção, lavagem de dinheiro e tráfico de influências: “Aquilo é um mundo, um mundo... Mexe-se na terra e sai minhoca por todo o sítio”.

Admitindo ter sido apanhada de surpresa por não ter sido reconduzida 12 anos depois de ter criado o departamento para investigar a criminalidade organizada, Cândida Almeida acusa o ex-procurador-geral da República, Pinto Monteiro, de não a ter apoiado quando mais precisou, “nomeadamente na altura do Freeport”.

“No que se refere ao DIAP, nunca pressionou. Não me deu foi o apoio que eu achava que merecia. Essa, digamos, é a minha mágoa. Agora, pressionar, nunca. Nem ele queria saber conteúdos de processos, é preciso que se diga”, refere na entrevista, em que diz ter-se sentido pressionada, sim, mas “pelos grandes interesses opacos e sem rosto, esse tal poder do crime organizado”.

O Freeport foi, de resto, o caso que mais a marcou depois do das FP-25. “Aquilo que lá estava, por mais que se fizesse, não permitia outra solução que não o arquivamento”, continua a defender Cândida Almeida, garantindo que não beneficiou de forma nenhuma José Sócrates neste processo.

Colocada em Março no Supremo Tribunal de Justiça, onde ocupa agora o lugar de procuradora-geral adjunta, pelas mãos de Cândida Almeida passou já um habeas corpus destinado a tirar Isaltino Morais da cadeia — um caso cuja investigação pertenceu também ao DCIAP. “Lutei sempre com a falta de meios necessários para tornar o departamento mais ágil, mais capaz de responder em cima do acontecimento”, recorda.

Dos seus planos para o futuro faz parte um projecto na área da defesa dos direitos humanos e da cidadania: “Vamos defender os cidadãos anónimos contra esses interesses que não têm rosto. Vamos lutar pelos direitos humanos […], contra a corrupção, o branqueamento de capitais, a fraude”.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 93 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal