Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

09/08/2013 - Brazilian Voice Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Ativistas alertam indocumentados sobre fraudes migratórias

Por: Leonardo Ferreira

Golpistas aproveitam impasse sobre reforma migratória no Congresso para enganar estrangeiros incautos.

O debate sobre reforma migratória em Washington-DC durante o verão aumentou as esperanças de milhões de imigrantes indocumentados em todas as partes do país. Entretanto, o assunto elevou o temor de ativistas defensores dos direitos dos consumidores com relação à indivíduos inescrupulosos que promete ajuda na “regularização do status migratório”.

Eduardo Flores, um imigrante indocumentado natural de Honduras, não recebeu promessas de legalização, mesmo assim pôs sua confiança e US$ 4 mil nas mãos de um indivíduo que disse ser advogado de imigração. Operário da construção civil, especializado na instalação de sistemas de ar-condicionado, Flores reside em Virgínia, próximo a Washington-DC, com sua esposa, 2 filhas e a sogra em um apartamento de 2 quartos. Em 2011, tentando ajudar um amigo, ele ligou para Luís Ramirez, quem sua esposa havia ouvido falar na rádio em espanhol.

Ramirez, que não era um advogado licenciado, disse que poderia ajudar seu amigo a sair da prisão e pagar a fiança por US$ 4 mil. Flores entregou-lhe a quantia, mas Ramirez nunca pagou a fiança e o amigo foi eventualmente deportado.

Histórias de esquemas e fraudes estão se tornando cada vez mais comuns entre os imigrantes indocumentados, principalmente quando o debate migratório no Congresso é tema na mídia, disse Mônica Vaca, advogada do Departamento de Defesa do Consumidor da Comissão Federal de Comércio.

“Realmente, existem golpistas que estão circulando e usam as notícias dos meios de comunicação para gerar um pouco de confusão”, disse Vaca.

Essa confusão pode transformar imigrantes em vítimas, que acabam pagando um preço alto por isso.

“Eles não somente perdem dinheiro. Eles correm o risco de perder algo muito mais valioso”, comentou Mônica.

As vítimas de fraude migratória também podem perder a elegibilidade para aplicar para a residência permanente (green card) ou cidadania porque alguém que finge ser um provedor de serviços licenciado preencheu incorretamente um formulário ou, as vezes, sequer o enviou ao Governo. Nesse estágio, isso se torna uma questão de fraude no direito do consumidor, disse o advogado David Zetoony, com escritório em Washington-DC.

“Muitas pessoas pensam que as leis de proteção dos direitos do consumidor não se aplicam aos imigrantes, mas como qualquer pessoa nos Estados Unidos, eles estão protegidos”, mesmo que sejam imigrantes indocumentados, disse Zetoony.

Rigo Reyes vem monitorando fraudes na imigração no Departamento de Defesa do Consumidor do Condado de Los Angeles nos últimos 15 anos. Ele detalhou que as vítimas mantém a esperança mesmo quando suspeitam que estão sendo enganadas.

“Os consumidores esperam até o final antes de se convencerem de que foram vítimas de fraude”, explicou Reyes. “Portanto, não é incomum para os consumidores esperarem dois, três ou cinco anos”.

Recentemente, imigrantes denunciaram uma nova tendência: Golpistas alegam poder colocar os indocumentados em uma lista de espera para a residência permanente ou cidadania, assim que o Presidente Obama assinar uma nova lei migratória, a qual, obviamente, pode ou não acontecer. Apesar disso, os ativistas dizem que as fraudes continuam e não são denunciadas.

Em 2012, o FTC – Consumer Sentinel Network, uma base de dados que acumula reclamações que serão verificadas pelas autoridades, recebeu mais de 700 reclamações sobre serviços migratórios. Mônica disse que talvez os dados não sejam exatos em virtude da barreira do idioma, medo do governo e outros obstáculos que impedem que os imigrantes denunciem um golpe.

“A lei de imigração é a única área da lei a qual indivíduos podem estar autorizados a oferecer serviços legais, mesmo que não sejam advogados”, disse Chiriboga Roby, da World Relief Baltimore Immigration Legal Clinic.

“Para dizer-lhe a verdade, eu não acompanho o andamento das propostas migratórias no Congresso simplesmente porque haverão tantas mudanças que aquilo que está sendo proposto hoje não terá nada a ver com o que for aprovado amanhã”, disse ele.

Para Flores, ser enganado por um golpista o transformou em um missionário. “Muitas pessoas tem medo de ir à polícia”, disse ele. “Várias pessoas me disseram, ‘Eduardo, não faça isso. Você terá problemas. Você será deportado”.

Eduardo respondia que não tinha medo, ao invés disso, estava aborrecido por ter entregue US$ 4 mil a um falsário.

“Quem sabe quantas pessoas ele prejudicou? Eu tentava pará-lo”, explicou ele. “Eu disse-lhe, ‘tenho fé em Deus que o verei no Tribunal um dia”. E aconteceu.

Flores e Zetoony, seu advogado, venceram uma ação civil contra Luís Ramirez em janeiro desse ano. Em dezembro do ano passado, Ramirez também assumiu a culpa com relação à 3 acusações por estelionato por receber dinheiro de outros imigrantes utilizando argumentos falsos. Atualmente, ele cumpre 2 anos de detenção.

Ativistas alertam para que os imigrantes não façam nada no momento, pois ainda não existe reforma migratória.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 159 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal