Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

29/07/2013 - Diário do Grande ABC Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Falsificação do real ainda é maior que a do dólar


O nível de falsificação de cédulas no Brasil caiu nos últimos anos e está em patamares baixos na comparação internacional, segundo o Banco Central. Mesmo assim, ainda é superior ao verificado em relação ao dólar norte-americano e ao euro. Em 2012, foram apreendidas 513 mil cédulas falsas do real, 2/3 da primeira família e 1/3 da segunda. Isso representa 92 notas por milhão em circulação. Em 2003, eram 197 por milhão. No dólar e no euro, o nível da falsificação é em torno de 50 por milhão. Na libra esterlina, por outro lado, chega a 150 por milhão.

O BC atribui a queda à ação da Polícia Federal e aos cuidados da população na hora de verificar a autenticidade do dinheiro. Segundo a autoridade monetária, a segunda família terá custo médio entre 15% e 20% superior à primeira, mas com uma tecnologia mais avançada. O BC vai gastar ainda R$ 10,8 milhões com a campanha de lançamento das cédulas novas de R$ 2 e R$ 5, em jornais, rádio e TV, a partir do dia 4 de agosto.

As notas de R$ 2 e R$ 5 da segunda família do real trazem inovações que representam um avanço importante contra a falsificação, segundo o diretor. "Essa segunda família guarda basicamente as mesmas características, mas com a vantagem de poder utilizar equipamento de última geração, design mais avançado e elementos de segurança muito mais consistentes", afirmou.

"A qualidade da impressão também é bem melhor, buscando estar um passo adiante dos falsários." O diretor citou os três principais elementos de segurança. A marca d'água, que já está na primeira família, ganha mais destaque na segunda família. Ao colocar a cédula contra a luz, se observa o animal e o numeral em cor branca. O segundo é o alto relevo, que aparece na inscrição "República Federativa do Brasil", à esquerda, no ramalhete na esfinge da República e nos numerais também. Esse elemento não constava da primeira família. O terceiro é o número escondido, que aparece na horizontal com a nota na altura dos olhos. "Apenas com esses três elementos, marca d´água, relevo e número escondido, é possível ter certeza de que é uma cédula verdadeira", afirmou.

Altamir destacou ainda que a nova família traz tamanhos distintos para cada valor, o que é importante porque os falsários costumam fazer lavagem química em cédulas de baixo valor para transformá-las em notas de maior valor. "Com tamanho distinto, uma limpeza química não vai resultar em nada, não dá para fazer essa falcatrua."

Investimento

Lopes, afirmou que o ambiente econômico atual favorece os investimentos feitos pelo governo em tecnologias para evitar falsificação. "Não faria sentido em período de hiperinflação estar investindo em elementos de segurança", disse, durante entrevista coletiva. "Isso é absolutamente necessário em um sistema com mais solidez. Precisamos nos antecipar aos falsários", continuou.

Altamir considerou também que o BC precisa agir cada vez mais rápido e estar um passo à frente dos falsificadores. "Isso não é algo particular do BC do Brasil", afirmou.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 67 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal