Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

16/11/2007 - Região de Leiria Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Tribunal condena ex-bancário que desviou 67 mil euros

Por: Carlos S. Almeida


Um ex-funcionário da dependência de Mira de Aire do Banco Santander Totta que desviou cerca de 67 mil euros da conta de dois clientes, foi condenado pelo Tribunal de Porto de Mós a três anos e nove meses de prisão, suspensa pelo mesmo período. A decisão do colectivo de juízes foi conhecida no passado dia 7.
Durante quase um ano, entre 2001 e 2002, o antigo trabalhador desviou aquelas verbas sem ser descoberto. A situação apenas foi detectada em Setembro de 2002 quando um cliente quis efectuar um levantamento. Verificou então que, ao contrário do que julgava, não tinha o montante em causa na sua conta.
Descoberta a burla, o banco repôs as quantias em causa e o funcionário apresentou a demissão, chegando a repor uma pequena parte do montante subtraído.
Em tribunal, o arguido justificou a sua acção com o facto de ter começado a ficar numa situação financeira complicada, incapaz de fazer face às despesas dos empréstimos que entretanto contraíra, em boa parte para satisfazer os “gostos caros da namorada”.
Para conseguir os seus intentos, o bancário adulterou talões de levantamento e, por várias vezes, usou abusivamente o terminal informático de uma colega da agência bancária. Para movimentar as verbas “desviadas”, utilizou a conta de um cliente que tinha falecido.
Para a pena sentenciada pelo tribunal contribuiu o facto de o arguido ter sido considerado culpado dos crimes de burla informática na forma continuada, falsificação e falsidade informática na forma continuada. O arguido foi ainda condenado a repor mais de 66 mil euros.
Na leitura do acórdão, o tribunal frisou que considera “gravíssima” a conduta do arguido. Contudo, uma vez que se demitiu quando a situação foi descoberta, confessou a quase totalidade dos factos, para além de aparentar estar integrado e de não contar com antecedentes criminais, o colectivo de juízes optou pela suspensão da pena de prisão.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 326 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal