Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIFICAÇÃO DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 16/08/2018 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

23/07/2013 - Brazilian Voice Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Americana é condenada a passar Natal na prisão por vender Ids falsos

Por: Leonardo Ferreira

Betina Young terá que passar 3 dias encarcerada durante 5 festas natalinas consecutivas, como parte de sua liberdade condicional.

Na segunda-feira (22), o Juiz Michael Holbrook, do Condado de Franklin, Ohio, sentenciou Betina Young, de 44 anos, a 5 anos de liberdade condicional, considerada culpada por montar um esquema que fornecia documentos de identificação (Ids) a imigrantes indocumentados. Entretanto, uma determinada exigência incluída na sentença virou manchete nos principais jornais dos EUA: Durante esse período, ela deverá três dias na prisão em cada Natal. A sentença foi batizada de “Feriados Holbrook”, desde que ele assumiu o cargo em 2004.

Um auxiliar do magistrado, David Petikas, detalhou que o “Feriado Holbrook” permite aos réus terem uma ideia de como seria a vida atrás das grades e quem realmente sofrerá se eles continuarem na criminalidade.

“É um aviso sobre quem eles estão magoando e o impacto que causaria em suas famílias durante os feriados”, disse David.

Entretanto, Petikas acrescentou que os condenados têm a oportunidade de trabalhar duro para cumprir as determinações da liberdade condicional e, consequentemente, conquistarem a liberdade em até 1 ano e meio.

Young assumiu a culpa em março com relação a 5 acusações de falsificação de documentos. Além da liberdade condicional e o “Feriado Holbrook”, ela terá que pagar US$ 3 mil de multa. Caso não passe qualquer um dos feriados na cadeia, ela terá que passar 15 anos na penitenciária.

Ex-funcionária de um Departamento de veículos (DMV) em Gahanna (OH), Betina recebia propina de imigrantes para que ela alterasse seus dados e emitisse documentos falsos. Ela agia com o comparsa, Sekopu Kpoto, que recebia o dinheiro dos estrangeiros e os transportava até à agência de Gahanna, onde Young trabalhava. Em 7 anos, ela emitiu 95 carteiras fraudulentas, segundo o Departamento de Veículos Automotores de Ohio.

Uma investigação conduzida pelo Departamento de Imigração (ICE) e o Departamento de Segurança Interna (DHS) revelou que Kpoto recebia entre US$ 700 e US$ 1.500 por cada documento falso e dividia a quantia com Young. Ele será julgado ainda essa semana e enfrenta as mesmas 5 acusações de falsificação de arquivos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 116 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal