Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

20/07/2013 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia Federal indicia 23 suspeitos por fraude em programa de internet

Por: Maurício Ferraz

Segundo a PF, Projeto Jampa Digital foi criado para desviar dinheiro publico. Verba teria sido destinada à campanha do atual governador da Paraíba.

Foram desviados mais de R$ 1 milhão de um programa que deveria levar internet de graça para a população de João Pessoa, na Paraíba. A Polícia Federal indiciou 23 pessoas. Entre elas, estão o vice-governador Rômulo Gouveia e o publicitário Duda Mendonça. O Jornal da Globo teve acesso, com exclusividade, aos detalhes dessa investigação.

O relatório da Polícia Federal tem 148 páginas. As provas indicam que 23 pessoas participavam do esquema. Todos os suspeitos foram indiciados. Segundo a PF, o Projeto Jampa Digital foi criado para desviar dinheiro público. Desde o inicio, já se sabia qual empresa ganharia a licitação, de quanto seria o superfaturamento e para onde os recursos seriam desviados.

Em 2012, o Fantástico mostrou que dois anos depois de anunciado, o programa, criado para levar internet de graça à população de João Pessoa, ainda não funcionava na capital paraibana. O Jampa, orçado em R$ 39 milhões, seria custeado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. A vencedora da licitação para implantação do projeto foi a empresa Ideia Digital, que tem sede em Salvador. Segundo a Polícia Federal, a empresa superfaturou o projeto em R$ 1,6 milhão. A investigação descobriu ainda que R$ 1,1 milhão foram repassados pela Ideia a empresas fantasmas em São Paulo.

O dinheiro teria sido usado para pagar despesas de campanha do atual governador do Estado da Paraíba, Ricardo Coutinho, do PSB, e do vice, Rômulo Gouveia, do PSD. A polícia identificou também o envolvimento de José Eugenio de Jesus Neto nas transações financeiras com as empresas fantasmas. Segundo a polícia, José Eugênio era diretor financeiro das empresas do publicitário Duda Mendonça, que foi o responsável pela campanha de Ricardo Coutinho ao governo da Paraíba em 2010.

Até agora, foram indiciados o publicitário Duda Mendonça por lavagem de dinheiro, o vice-governador da Paraíba, Rômulo Gouveia, por corrupção e outras 21 pessoas por participação no esquema. Entre elas, estão empresários e funcionários públicos.

A Polícia Federal também encaminhou a investigação ao Ministério Público Federal e recomendou que sejam apuradas as participações no esquema do governador Ricardo Coutinho, de dois deputados federais e do ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro. Ribeiro era secretário de Ciência e Tecnologia da Prefeitura de João Pessoa na época em que o programa foi anunciado. Todos têm foro privilegiado.

"A nossa ideia sempre é trazer provas pra que a Justiça possa condenar efetivamente aqueles que participaram, mas de forma completa, para entender todo mecanismo dessa engrenagem dessa organização considerada criminosa por nós", diz Marcello Diniz, superintendente da Polícia Federal/PE.

A assessoria de imprensa do governo da Paraíba desconhece que o inquérito tenha citado o governador Ricardo Coutinho e que ele não foi notificado. Segundo a assessoria, as empresas investigadas não foram doadoras da campanha e as contas relativas às eleições de 2010 foram aprovadas pela Justiça Eleitoral. A assessoria disse que Rômulo Gouveia já prestou todos os esclarecimentos sobre o caso e que ele não se envolveu no processo licitatório ou de execução do projeto.

Antônio Carlos de Almeida Castro, advogado de Duda Mendonça, afirmou desconhecer o indiciamento do publicitário e que Duda Mendonça recebeu R$ 500 mil da campanha eleitoral de Ricardo Coutinho. José Eugênio de Jesus Neto, ex-diretor financeiro das empresas de Duda Mendonça, foi procurado pela produção do Jornal da Globo, mas não retornou.

Em nota, a assessoria de imprensa da empresa Ideia Digital afirmou desconhecer o relatório da Polícia Federal e o indiciamento dos proprietários.

Tmbém em nota, a assessoria do ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, afirma que a licitação que resultou na contratação da Ideia Digital foi conduzida pela Secretaria de Administração do município. Portanto, Aguinaldo não licitou, contratou ou pagou essa empresa na época.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 145 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal