Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIFICAÇÃO DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 16/08/2018 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

11/07/2013 - Rondonoticias Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Tribunal de Justiça mantém condenação por estelionatos com seguro DPVAT


Para a Justiça, fica caracterizado o crime de estelionato, quando o agente, munido dos documentos próprios e de procuração dada pela mãe ou filho de pessoa falecida em acidente de trânsito, recebe o valor do Seguro do DPVAT e não faz o devido repasse ou só faz mediante a instauração de inquérito policial. Esse é o acórdão da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Rondônia no julgamento de apelação criminal contra condenação na comarca de Ouro Preto do Oeste (RO). A sentença e a pena foram mantidas por unanimidade.

Julgado no último 4 de julho, o caso foi levado à apreciação dos desembargadores por meio do desembargador Valter de Oliveira, relator do processo. Segundo consta nos autos, José Cruz foi denunciado de estelionato, pois teria identificando-se como corretor de seguro e levado 3 pessoas a assinarem procuração referente ao seguro DPVAT em virtude de acidentes de veículo sofridos por familiares. O acusado se valia dos documentos para receber os valores e não repassava aos interessados. Cerca de 20 mil e 300 reais teriam sido recebidos.

Todos procuraram a polícia e o acusado devolveu os valores, porém uma vítima não recebeu nada. José Cruz foi condenado à pena de 2 anos, 1 mês e 6 dias de reclusão, em regime inicial aberto, e ao pagamento de multa e teve a punição substituída pelo comparecimento mensal em juízo, restituição dos valores devidos às vítimas e prestação de serviços comunitários por 6 meses, à razão de 1 hora por dia.

A defesa pediu a absolvição por falta de provas ou a desclassificação para o delito de apropriação indébita. Por parte do Ministério Público, o procurador de Justiça Jackson Abílio opinou pelo desprovimento do recurso.

Para o relator, o ressarcimento às vítimas e alegação de falta de dolo não bastam para a absolvição. O desembargador decidiu que a conduta do estelionato consiste no emprego de meio fraudulento para conseguir vantagem econômica ilícita, o que se verificou na hipótese tratada nos autos.

Decidiu que a tese de falta de provas não prospera, assim como a de desclassificação para apropriação indébita tentada, porque esta ocorre quando há posse ou detenção de coisa móvel alheia em razão de direito real, que é a relação jurídica em virtude da qual o titular pode retirar da coisa, de modo exclusivo e contra todos, as utilidades que ela é capaz de produzir. Por isso o relator votou pela manutenção integral da sentença de 1º grau e foi acompanhado pela desembargadora Ivanira Feitosa Borges e pela juíza convocada Sandra Aparecida Silvestre de Frias Torres.

0035723-12.2005.8.22.0004Apelação

Origem: 00357231220058220004 Ouro Preto do Oeste/RO (1ª Vara Criminal)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 129 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal