Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIFICAÇÃO DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 16/08/2018 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

27/06/2013 - Gospel Prime Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fundador da Maranata deixa presídio e está em prisão domiciliar

Por: Leiliane Roberta Lopes

Gedelti Gueiros, ex-presidente da Igreja Maranata responde por crimes de estelionato, formação de quadrilha.

O pastor Gedelti Gueiros, fundador e ex-presidente da Igreja Cristã Maranata, deixou o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Viana nesta terça-feira (25) por receber o benefício de prisão domiciliar.

Guerios tem mais de 80 anos e por este motivo não continuará no CDP como os outros sete pastores que foram presos na última segunda-feira, depois que o Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES) percebeu que, mesmo afastados, os dez pastores investigados continuavam participando da administração da igreja e praticando os crimes financeiros.

A prisão domiciliar foi concedida como resposta ao pedido de habeas corpus apresentado pelo advogado do religioso, Fabrício Campos, que quer a revogação do mandato de prisão. “Em liminar, foi dada a prisão domiciliar até o tramite final, em virtude da idade avançada do pastor”, revelou o defensor de Gueiros ao portal G1.

Em março o fundador da ICM também chegou a ser detido pelas acusações de estelionato, portanto as proibições feitas naquela época continuarão em vigor, entre elas: não deixar a Grande Vitória, não participar das reuniões com os membros e não manter contato com os administradores da igreja.

O promotor que investiga o caso é Paulo Panaro, ele lembra que Gedelti estava impedido de ter acessos aos administradores da igreja, mas mesmo assim ele descumpriu a ordem e estaria praticando o crime de estelionato de forma indireta.

“Ficou claro que o ex-presidente da instituição continuava participando da administração, várias testemunhas prestaram depoimentos que relatavam essa participação”, disse o promotor.

O advogado de defesa, por outro lado, diz que nenhuma das restrições feitas pela Justiça foram descumpridas. “Gedelti nunca saiu de casa sem autorização do juiz. Depois, a prisão foi revogada. As proibições de comparecimento a locais onde não poderia comparecer foram revogadas por prejudicar a atividade pastoral. Ele nunca violou qualquer determinação judicial”.

Além de Gueiros, o pastor Arlínio de Oliveira Rocha também está em prisão domiciliar, no caso dele o benefício foi concedido devido aos problemas de saúde. Já os pastores Antônio Angelo Pereira dos Santos, Antonio Carlos Rodrigues de Oliveira, Antonio Carlos Peixoto, Amadeu Loureiro Lopes, Jarbas Duarte Filho, Leonardo Meirelles de Alvarenga e Wallace Rozetti permanecem no Centro de Detenção provisória (CDP). E o pastor Carlos Itamar Coelho Pimenta está preso no Quartel da Polícia Militar em Vitória por ser militar aposentado.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 122 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal