Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

28/04/2006 - IDG Now / Computerworld Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Visa reduz 43% das fraudes em dez anos

Por: Camila Rodrigues


Menos de 1% do volume de vendas da rede internacional Visa é resultado de fraude, divulgou a empresa nessa quinta-feira (27/04). Isso significa que, de cada 100 dólares, seis centavos foram para algum fraudador, em comparação com os 14 centavos contabilizados em 1996. No Brasil, esse total é de três centavos.

A empresa aponta que a falsificação (ou clonagem) representa 52% dos crimes com cartões da bandeira no Brasil e 62% no restante do mundo.

Normalmente, o malfeitor utiliza de um dispositivo conhecido como “chupa-cabra” e copia as informações da tarja magnética para um cartão falso.

“Esse crime foi se aperfeiçoando ao longo dos últimos anos, mas ainda é controlável. Por isso, está havendo uma migração para cartões com chip, que dificultam as fraudes”, explica Isabel Silva, diretora de risco da Visa.

Depois de dez anos de seu aparecimento, os cartões de chip alcançam 6,3 milhões de unidades no Brasil, segundo a empresa, o que representa um crescimento de 269% nos últimos 18 meses. Oto Pitol, diretor de controle de risco da Visanet, afirma que 84% das bases de POS (máquinas de leituras dos cartões) já lêem chip.

O segundo tipo de fraude mais recorrente acontece por meio de compras na internet, que representa 25% dos casos no País e 20% em proporções globais. Roubo e perda representam, mundialmente, 33% das fraudes.

Para combater o crime virtual, a empresa está utilizando um dispositivo que certifica tanto o usuário quanto a loja virtual, o Verified by Visa (VbV), e oferece segurança para ambos. Segundo Pitol, ocorreram 2,5 milhões de transações aconteceram por esse serviço em 2005 e, atualmente, 880 lojas virtuais do Brasil já utilizam o VbV.

Há outros dispositivos de segurança para compras presenciais ou não, como o código de segurança que vem impresso no final do cartão e o DUKPT, um chave de encriptação para a transmissão de dados confidenciais para os bancos.

Diante de tantas possibilidades de apropriação indevida, Isabel aponta um perigo que assusta todas as redes de cartões, mas que ainda não ultrapassou a fronteira tropical: a fuga massiva. O crime consiste na apropriação de todo um banco de dados, que pode conter informações de milhões de pessoas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 370 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal