Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIFICAÇÃO DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 16/08/2018 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

18/06/2013 - Âmbito Jurídico Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

CEF é condenada a pagar indenização por abrir conta corrente com documentos falsos


Em votação unânime, a 6.ª Turma do TRF da 1.ª Região concedeu direito à indenização de R$ 10 mil a cidadão que teve conta-corrente aberta em seu nome na Caixa Econômica Federal (CEF) por terceiro, com utilização de documentos falsos. A decisão é proveniente da análise das apelações interpostas pela CEF e pelo autor, em ação declaratória de inexistência de relação jurídica e pedido de danos morais, contra sentença da 12.ª Vara da Bahia que entendeu como defeituosa a prestação de serviço e julgou procedente o pedido do requerente, deferindo o pagamento de indenização no valor de R$ 5 mil.

A CEF defendeu a inaplicabilidade das regras do Código de Defesa do Consumidor, alegando que não cabe a ela responsabilidade civil e pagamento por danos morais porque não cometeu ato ilícito e não deu causa aos prejuízos supostamente sofridos pelo autor, gerados por terceiro que se apresentou com os documentos necessários para a identificação pessoal e para abertura de conta corrente. Assim, pediu reforma da sentença ou diminuição do valor da indenização.

O autor também recorreu solicitando o aumento da indenização por danos morais.

O desembargador federal Jirair Aram Meguerian, relator do processo na 6.ª Turma, seguiu a orientação jurisprudencial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) no sentido de que “as fraudes praticadas por terceiros contra correntista do sistema bancário ocasionam a responsabilidade do fornecedor de serviços em razão da violação ao dever contratualmente assumido de gerir com segurança as movimentações bancárias, devendo responder pelo serviço defeituoso que acarreta lesão ao consumidor (REsp 1199782/PR, Rel. Ministro Luis Felipe Salomão, Segunda Seção, julgado em 24/08/2011, DJe 12/09/2011)”.

Quanto ao valor da indenização, o magistrado considerou que o choque e a perturbação sofridos pelo autor diante da utilização de seus documentos para firmar contrato de conta corrente bem como os infortúnios decorrentes desse acontecimento arranham sua dignidade, protegida pela Constituição Federal, e são capazes de causar abalo emocional, ensejando a reparação por pagamento de indenização: “Entendo que o montante de R$ 5 mil, fixado na sentença recorrida, encontra-se aquém da valoração da dor moral, tendo presente que a indenização por dano moral não é preço matemático, mas compensação parcial, aproximativa, pela dor injustamente provocada”, declarou o relator que negou provimento à apelação da CEF e aprovou o recurso do autor para aumentar a indenização para R$ 10 mil.

Processo n.º 0006464-20.2010.4.01.3300

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 118 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal