Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIFICAÇÃO DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 16/08/2018 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

09/06/2013 - Diário de Marília Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Processo sobre fraude com cartilhas segue no TJ

Como tentativa de fraudar a fiscalização, apenas uma parte dos exemplares foi entregue.

Está em grau de recurso, no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, o processo em que o ex-chefe de gabinete da Prefeitura de Marília, Nelson Virgílio Grancieri, o Nelsinho, e o ex-diretor de imprensa, Ronaldo Medeiros, foram condenados pela Justiça de Marília por improbidade administrativa.

Investigações do Ministério Público revelaram que 150 mil cartilhas institucionais na área da saúde, educação e bem estar social não foram entregues, porém os ex-funcionários atestaram o recebimento do material. Como tentativa de fraudar a fiscalização e consolidar o golpe nos cofres públicos, apenas uma parte dos exemplares foi entregue. No total, o gasto com o contrato administrativo de publicidade chegou a R$ 88.500.

O agravante da situação é que a nota fiscal referente ao material estava sem o carimbo de “conferido e recebido” e com as inscrições “PP”, que significa prognóstico de pagamento. Com a instauração da investigação pelo MP, a prefeitura cancelou a nota fiscal e emitiu outra, em que constava uma ordem de pagamento e o carimbo “recebido e entregue”, além das rubricas de Nelsinho e Ronaldo Medeiros. Assim, o MP novamente realizou fiscalização e averiguou que as cartilhas não tinham sido entregues. Indagado pelo órgão, Nelsinho afirmou que realmente vistou a nota fiscal sem receber totalmente a mercadoria, mas que não efetuaria o pagamento até que as cartilhas fossem entregues. A W.A. Produções, empresa responsável pela confecção do material, alegou ao MP que o contrato não foi cumprido integralmente porque precisou terceirizar o serviço, o qual ficou a cargo da empresa Boa Impressão Materiais Serigráficos Ltda, sediada em São Paulo. Entretanto, a empresa está com a situação cadastral cassada desde 31 de julho de 2002, o que inviabilizaria a execução do contrato administrativo. Em sua defesa, a empresa alegou que a expressão “PP” significa Pregão Presencial nº013/2008 e que ao perceber o equívoco na remessa da quantidade de mercadoria, foi solicitada a devolução da nota fiscal para o cancelamento, razão pela qual não constou o carimbo de “conferido e recebido”. Em seguida foi emitida mais uma nota fiscal, acompanhada do restante das cartilhas, já que apenas a metade das cartilhas tinha sido entregue.

Segundo a sentença, a autoria e justificativa para a confecção das cartilhas foi de Ronaldo Medeiros, com anuência de Nelsinho. A denúncia foi de que a licitação para realização do material havia sido feita com o intuito de receber recursos para a campanha eleitoral do então prefeito Mário Bulgareli. Desta forma, a juíza da 5ª Vara Cível, Ângela Martinez Heinrich, condenou Nelsinho e Ronaldo Medeiros por improbidade.

Os dois réus foram condenados a suspensão dos direitos políticos por cinco anos, pagamento de multa civil de cem vezes o valor da remuneração recebida na época do crime e proibição de contratar com o Poder Público pelo prazo de três anos. Recentemente, após resultados de sindicâncias, Nelsinho foi demitido da prefeitura a bem do serviço público. Ronaldo Medeiros ainda está lotado na secretaria municipal da Educação, recebendo salário em torno de R$ 6 mil mensais.

ANTIGA RODOVIÁRIA

Ronaldo Medeiros atuou como intermediário na venda do antigo prédio da estação rodoviária de Marília (localizado na rua 24 de Dezembro) para o grupo educacional Uniesp, de Presidente Prudente. O prédio pertencia à Codemar. Os valores e moldes das negociações até hoje são nebulosos. Estranhamente, Conceição Carmona Medeiros, esposa de Ronaldo, atua como diretora de graduação na Uniesp em Marília. Ela é professora efetiva da Rede Municipal de Educação.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 350 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal