Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

04/06/2013 - Jornal Cruzeiro do Sul / Agência Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

CCJ aprova punição por denúncia falsa durante eleições


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou um projeto que prevê punição para quem "divulgar e propalar", por qualquer meio ou forma, denúncias falsas durante o período eleitoral. A proposta prevê penas de reclusão de 2 a 8 anos e, na prática, permite a punição de jornalistas por matérias publicadas.

O texto foi alterado na votação e a punição a quem divulgar acontecerá mediante a comprovação de sua ciência sobre a inocência do denunciado, mas parlamentares entendem que o projeto pode inibir o acesso da sociedade a informações sobre maus políticos e atacar a liberdade de expressão. A proposta precisa ainda passar por votação em plenário.

O texto aprovado inclui no Código Eleitoral o crime de denunciação caluniosa. O tipo é previsto no Código Penal para quem fizer denúncias, sabendo da inocência do acusado, que ensejem a abertura de processo. Há diferenças no projeto, porém, ampliando a possibilidade de punições durante o período eleitoral. Além das denúncias falsas sobre crime, quem acusar um candidato de ato infracional, como de improbidade administrativa também está sujeito às mesmas penas. Nesse caso, há um aumento de pena porque acusações falsas de improbidade são punidas com 6 a 10 meses de reclusão pela lei atual.

A previsão de punição para quem divulgar ou propalar as informações não consta no código penal. Para tentar amenizar a polêmica, o relator da proposta, deputado Mendonça Filho (DEM-PE), fez uma alteração no texto dizendo que nesse caso será preciso comprovar a ciência de quem divulgou da inocência do acusado.

O deputado Alessandro Molon (PT-RJ) votou contra a proposta e a classificou como uma tentativa de impedir o acesso da sociedade a informações sobre maus políticos. "É um risco para o combate à impunidade e a liberdade de expressão. Não podem existir cidadãos de duas categorias, o cidadão comum e o candidato", disse.

O relator sustenta em seu parecer que a proposta visa impedir denúncias que tenham como único objetivo causar prejuízos eleitorais aos acusados. "No mérito, o projeto enriquece o processo eleitoral por combater atitudes rasteiras e abomináveis", diz Mendonça Filho. Para ele, a alteração feita para exigir a comprovação da ciência de que a denúncia era falsa para punir quem a divulgar é suficiente para proteger a liberdade de informação. (AE)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 81 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal