Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

25/05/2013 - odiario.com Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Suspeita de adulteração causa suspensão de leite da merenda em Londrina

Por: Pauline Almeida


A Secretaria de Estado da Educação suspendeu a entrega de leite às escolas do Núcleo Regional de Londrina enquanto apura a denúncia de adulteração do produto. O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) deflagrou uma operação para investigar a existência de fraude e apontou que a Confepar, cooperativa de leite e derivados de Londrina, teria recebido milhares de litros com adição de água e ureia.

Uma das três cooperativas que fornece a mercadoria no núcleo de Londrina é a Cooperativa Central de Captação de Leite (Coopreleite), associada da Confepar. Na manhã deste sábado (25) , por meio da assessoria de imprensa, o governo do Estado confirmou o cancelamento da distribuição de leite. Também divulgou que já enviou a bebida para análise da Vigilância Sanitária para apurar se há adulteração e qual a sua extensão.

Um dos elementos supostamente adicionados ao produto – a ureia – é a cancerígeno. A Operação Leite Compen$ado investiga cinco núcleos de fraude no Rio Grande do Sul. Em dois deles – Rondinha e Selbath – toda a produção seria destinada a Londrina. A investigação culminou na prisão de 14 pessoas e duas delas já foram colocadas em liberdade.

Um dos detidos, Antenor Signor, recebeu o benefício da delação premiada e garantiu que a Confepar sabia da adulteração do leite e inclusive a requisitava. Ele transportava o produto até o Paraná desde janeiro deste ano e adulterava 20 cargas de 25 mil litros por mês, adicionando 70 litros de água e 300 gramas de ureia em cada uma delas.

A Confepar, por meio de uma nota, negou as acusações. "Frente às afirmações feitas por Antenor Pedro Signor, e divulgadas em nota por meio do Ministério Público do Rio Grande do Sul, temos a dizer que são infundadas e a nosso ver trata-se de uma estratégia da quadrilha responsável pela adulteração do leite no Rio Grande do Sul, buscando desviar a atenção da mídia e da investigação, para as indústrias", divulgou.

A indústria declarou que entrará em contato com o MP-RS para prestar os esclarecimentos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 97 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal