Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

17/05/2013 - Jornal Correio Várzea-Grandense Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Garçom era articulista na falsificação de Johnnie Walker e Old Parr


O garçom José Lopes da Costa, de 44 anos, foi autuado em flagrante pela Delegacia do Consumidor, da Polícia Civil, nesta quinta-feira (16), no bairro São João Del Rei, em Cuiabá, sob a acusação de ser integrante de uma quadrilha que falsifica uísques Johnnie Walker e Old Parr – entre outras marcas famosas.

Conforme a polícia, ele trabalhava para renomados buffet’s de Cuiabá e Várzea Grande e recolhia as garrafas esvaziadas nos eventos, que posteriormente eram abastecidas com a bebida falsificada. Depois, os litros cheios – e lacrados como se fossem originais – eram vendidos para organizadores de festas 'open bar' em Mato Grosso a preços bem menores que os produtos originais, que são importados.

Na casa do garçom foram apreendidas mais de 500 garrafas vazias de uísque de 12 e 18 anos, além de algumas de safra especial. As garrafas estavam dentro das caixas, tais como são comercializadas, e armazenadas em um cômodo apropriado para conservação.

No local, ainda foram apreendidos oito garrafas prontas para comercialização e centenas de lacres, que com auxílio de um secador industrial eram utilizados como garantia de autenticidade das garrafas fraudadas.

Segundo a titular da Delegacia do Consumidor, Ana Cristina Feldner, pelo fato de o acusado trabalhar como garçom, ele tinha acesso a vários buffet’s, onde provavelmente conseguia as garrafas. “Pelo padrão das bebidas, sabemos que o acusado pegava o material em festas de pessoas de alto poder aquisitivo, realizada em renomados buffet’s”, explicou a delegada, por meio da assessoria de comunicação da PJC.

De acordo com as investigações, o líquido engarrafado não era preparado na residência. O local era apenas usado para acondicionar as garrafas. A pena para o crime de falsificação ou adulteração de produtos alimentícios é de 4 a 8 anos de reclusão e multa.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 132 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal