Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

09/05/2013 - R7 / Agência Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Coaf: Nova lei de lavagem aumenta risco de empresas


Entre as mudanças trazidas pela nova lei de lavagem de dinheiro (lei 12.683, de julho do ano passado), merece atenção a possibilidade de uma empresa responder criminalmente por utilizar dinheiro proveniente de infração penal ainda que sem conhecimento sobre o caso. A avaliação é do presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Antonio Gustavo Rodrigues. Na redação anterior da lei, para ser condenado à reclusão o dirigente de uma empresa deveria saber da origem ilícita do dinheiro. "Uma mudança sutil na lei aumenta potencialmente o risco das empresas", disse o presidente do Coaf, em palestra do Programa Nacional de Capacitação e Treinamento para o Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro, em São Paulo. Com a nova legislação, incorre na pena de reclusão de três a dez anos e multa quem "utiliza, na atividade econômica ou financeira, bens, direitos ou valores provenientes de infração penal". A expressão "que sabe serem provenientes", existente na legislação anterior, foi retirada da nova lei. Para Rodrigues, o fim da exigência da ciência sobre a origem do dinheiro embute a ideia de "risco eventual" ou "dolo eventual". "Antes, poderíamos dizer que não existia a hipótese culposa. Um empresário só poderia ser condenado se ficasse comprovado que ele sabia, que tinha certeza de que o dinheiro era proveniente de um ilícito. Agora, se o empresário não sabe, mas deveria saber, correu o risco", reiterou o presidente do Coaf. Para uma plateia de pessoas ligadas ao sistema financeiro, Rodrigues apresentou o Coaf como uma unidade de inteligência financeira que analisa as informações e questões bancárias antes de enviá-las para uma possível investigação. "O sistema começou a produzir efeitos em várias áreas e, além de bancos, passou a incluir também diversos setores", explicou. Ele mencionou que as movimentações bancárias devem ser observadas, pois "ninguém lava dinheiro fazendo uma atividade ilegal". "Se alguém vai lavar dinheiro, precisa achar uma explicação legítima e colocar o dinheiro no banco é uma das fases da lavagem", afirmou. Rodrigues ressaltou que a investigação em si e o combate ao crime de lavagem de dinheiro não são feitos pelo órgão. "O problema da unidade de inteligência pode ser tanto falta de informação quanto excesso de informação, quando essa informação é inútil", afirmou. "Não é o Coaf que faz investigação. Muitas vezes as investigações começam com um relatório nosso."

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 254 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal