Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

08/05/2013 - Sul 21 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraudes no leite revelam falhas no controle de qualidade por parte das empresas

Por: Samir Oliveira


A deflagração da operação Leite Compensado por parte do Ministério Público nesta quarta-feira (8) gerou apreensão entre os consumidores gaúchos. O MP identificou um esquema de adulteração de leite através da inclusão de água e de uma mistura de ureia e formol no produto.

O crime era cometido pelas transportadoras que levavam o leite dos produtores às empresas que beneficiam e comercializam a mercadoria. Por conta disso, o MP interditou lotes vendidos pelas marcas Italac Integral, Italac Semidesnatado, Líder/Bom Gosto UHT Integral, Mumu UHT Integral e Latvida UHT Desnatado.

As interdições ocorreram para que os produtos adulterados não chegassem mais às prateleiras dos supermercados, mas técnicos da área e promotores do Ministério Público afirmam que as empresas foram vítimas da fraude, não cúmplices. Apesar da ressalva, as autoridades frisam que as empresas deveriam ter detectado a adulteração do leite e que precisam melhorar seus mecanismos de controle de qualidade.

Investigação começou em dezembro de 2012

A Promotoria de Defesa do Consumidor começou a investigar o caso em dezembro do ano passado. Através de um convênio com o Ministério da Agricultura, a Secretaria Estadual da Agricultura e laboratórios especializados, o MP recebia amostras de leite que eram auditadas por esses órgãos. As amostras eram conferidas também por um engenheiro químico do Ministério Público.

A fraude teria sido comprovada por meio de análises químicas do leite cru, quando foi identificada a presença do formol, que, mesmo depois dos processos de pasteurização, persiste no produto final. Com o aumento do volume do leite transportado, os “leiteiros” lucravam 10% a mais que os 7% já pagos sobre o preço do leite cru, em média R$ 0,95 por litro.

Uma das formas de adulteração identificada é a da adição de uma substância semelhante à ureia e que possui formol em sua composição, na proporção de 1 kg deste produto para 90 litros de água e mil litros de leite.

“Começamos a constatar a possibilidade de adição de formol no ano passado para maquiar a adição de água no produto. Utilizavam uma substância usada pela indústria moveleira”, explica o promotor Alcindo Luz Bastos da Silva Filho. Ele afirma que a substância química era colocada nos caminhões de transporte antes mesmo de se recolher o leite com os produtores.

As empresas de transporte envolvidas no crime são a LTV, de Guaporé; a Transportadora 3C, de Ibirubá; a Transportadora Chiesa, de Ibirubá; a Transportes Crisma, de Ibirubá; e a Transportadora Jappe, de Horizontina.

Um processo criminal já foi instaurado contra as pessoas envolvidas na fraude. Foram cumpridos ao todo 22 mandatos de prisão, busca e apreensão nos municípios de Ibirubá, Horizontina e Guaporé. Foram presos empresários do ramo do transporte e apreendidos documentos e computadores em empresas e residências, além de 17 caminhões utilizados para o transporte do leite adulterado.

“Fraude por adição de água é facilmente detectável“, diz técnico em laticínio

O técnico em laticínios Fábio Carvalho entende que as indústrias do setor deveriam ser mais rigorosas no controle de qualidade de seus produtos. Para ele, a operação Leite Compensado demonstra que tanto as empresas quanto o governo federal – a quem cabe a fiscalização – têm deixado a desejar no controle do leite que recebem de produtores e transportadores.

“A fraude por adição de água é facilmente detectável, existem vários exames de rotina que poderiam ser feitos todos os dias. É uma fraude muito mal feita e grosseira, por isso chama a atenção que não tenha sido detectada”, comenta.

Ele acredita que as empresas do setor tenham sido pegas de surpresa pelo esquema criminoso das transportadoras, já que a adição de ureia e formol prejudica, inclusive, a própria produção das indústrias. “Além dos exames de rotina, as empresas precisam fazer pesquisas nas áreas físico-química e microbiológica para verificar suspeitas e acusar problemas. Fica claro que as empresas foram logradas. Além do prejuízo de imagem, a adição de formol é contraproducente, pois inviabiliza a produção de uma série de derivados do leite”, informa.

O técnico afirma que o Ministério da Agricultura também é responsável pela fiscalização do produto nas grandes empresas e deveria ser mais atuante nos procedimentos. “Há uma falha, o controle de qualidade do leite no Brasil precisa ser feito com muita atenção. É um produto altamente perecível, consumido por crianças e idosos, por pessoas adoentadas e com baixa imunidade. É um produto muito suscetível à fraude”, explica.

Em nota divulgada à imprensa, o Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado do Rio Grande do Sul (Sindilat-RS) afirma que ” todos os lotes identificados com problema foram retirados do mercado e não se encontram mais à disposição do consumidor”. O comunicado também ressalta que “a indústria reafirma seu empenho na obtenção e distribuição de leite e derivados de alta qualidade e de consumo seguro, com a realização de análise do produto recebido dos produtores, importantes parceiros no elo da cadeia produtiva”.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 101 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal