Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

06/11/2007 - Empresas & Negócios Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Empresas devem ficar atentas a sites falsos


As empresas estão sendo vítimas de uma prática cada vez mais comum na Internet: o cybersquatting, que consiste no registro de um domínio conhecido ou de uma variação dele por um terceiro. Assim, os golpistas trocam o "s" pelo "z", acrescentam ou reduzem letras, substituem o singular pelo plural e criam um endereço de site parecido com o original.
A prática é conhecida na legislação federal norte-americana como "Anti-Cybersquatting Consumer Protect Act", para a qual o cybersquatting é o registro, tráfego ou uso de um nome de domínio com má-fé e intenção de obter lucro a partir da boa-fé do detentor de marca registrada. A explicação é da advogada especialista em direito digital, Patrícia Peck.

"A era digital criou situações nas quais internautas caem como laranjas. O usuário não sabe como identificar sites falsos, já que geralmente navega pela Internet de maneira displicente", afirma. "O site falso costuma conter arquivo malicioso ou simular o departamento de vendas de uma loja virtual, apenas com a intenção de roubar dados da pessoa, como a senha do banco."

Como proteger sua marca

Patrícia diz que é dever da empresa monitorar registros similares. "É possível verificar no www.registro.br e no www.registro.com. Esses sites são registrados em nome de pessoas físicas. Cabe à empresa detentora da marca registrada pleitear o domínio."

A utilização indevida de marcas é expressamente tipificada como crime pela Lei Federal nº 9.279/96, conforme indicação o Artigo 189, que diz que comete crime contra registro de marca quem reproduz, sem autorização do titular, no todo ou em parte, marca registrada, ou imita-a de modo que possa induzir a confusão. A pena é de três meses a 1 ano de detenção, ou multa.

Se apurado o registro similar, a empresa vítima da prática deve fazer uma notificação extrajudicial para o detentor do domínio ou à empresa de hospedagem. Se não conseguir solução, o detentor irá passar ou querer vender o domínio. Nesse último caso, é aconselhável que a empresa não pague.

Crime

Outra prática que cresce é a do seqüestro do domínio. O aviso é da advogada, que possui vasta experiência com empresas na área. "O golpista manda um fax dizendo que a pessoa de TI responsável pela manutenção do site foi demitida e pede, com urgência, para mudar a senha", sublinha. "É um crime que atinge principalmente grandes empresas, bancas e varejistas, que vendem pela Internet."

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 229 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal