Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

19/04/2013 - Bom Dia Sorocaba Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Acusados de fraude voltam para a cadeia

Por: Vinicius Marques

Justiça Federal acata pedido de prisão preventiva de 13 pessoas, entre elas de Olívio Scamatti.

A Justiça Federal de Jales determinou ontem a prisão de 13 pessoas acusadas de fraudes em licitações na região de Rio Preto. O grupo, que havia sido preso no último dia 9, na Operação Fratelli, ficou na cadeia até segunda-feira, quando foi libertado. Olívio Scamatti, um dos sócios da empresa Demop, acusada de comandar o suposto esquema, foi preso ontem de manhã, em sua casa, com sua mulher, Maria Scamatti, em Votuporanga.

Outras duas pessoas foram presas de manhã e mais cinco se entregaram à Polícia Federal de Rio Preto ontem à noite. Desta vez a prisão é por prazo indeterminado, chamada prisão preventiva. Os mandados de prisão foram expedidos ontem de manhã pela juíza substituta da 1ª Vara Criminal de Jales, Andreia Fernandes Ono.

Os pedidos de prisão foram incluídos na ação do Ministério Público Federal. Na segunda-feira, 15 acusados foram soltos por decisão do Tribunal de Justiça. Eles estavam presos temporariamente. A prisão iria “vencer na terça-feira”.

A Justiça Federal, por sua vez, mandou prender de novo a maioria dos acusados. A Operação Fratelli investiga supostas fraudes em 79 prefeituras do Interior, a maioria na região. No total, são cerca de mil licitações em suspeita com um suposto desvio de R$ 1 bilhão, desde 2007.

“A prisão preventiva foi decretada para garantia da ordem e não tem prazo determinado”, afirmou o delegado da Polícia Federal de jales, Cristiano Pádua da Silva. Também foram presos ontem de manhã Osvaldo Ferreira Filho, o Osvaldinho e Gilberto Silva, o Formiga, que teriam ligações com PSDB e PT, respectivamente. A expectativa era de que todos, incluindo os irmãos Mauro, Edson, Dorival e Pedro Scamatti também iriam se entregar até o final da noite de ontem. Olívio foi levado ontem para o CDP (Centro de Detenção Provisória de Rio Preto).

Os pedidos de prisão foram feitos na ação do Ministério Público Federal, que acusa fraude na prefeitura de Auriflama. A Justiça recebeu a denúncia e 19 acusados viraram réus, conforme revelou o BOM DIA ontem. O ex-prefeito de Auriflama, Zé Prego está entre os acusados.

Olívio Scamatti é acusado de chefiar a “máfia do asfalto”. O grupo teria ligações com 31 empresas, algumas de fachada, o que resultava em fraudes nas licitações. Outras empresas citadas foram Scamatti e Seller e Miotto e Piovesan. “As empresas do grupo econômico investigado fraudaram e superfaturaram inúmeras licitações”, afirmou o procurador Thiago Lacerda Nobre. O BOM DIA tentou contato ontem com representantes da Demop. Recado foi deixado com a funcionária que se identificou como Marcela, mas não houve retorno dos advogados até o fechamento desta seção.

Inúmeras

“As empresas do grupo econômico investigado fraudaram e superfaturaram inúmeras licitações”

Thiago Lacerda
Procurador da República de Jales

Justiça de Mirassol condena irmãos por fraudar licitação

A Justiça condenou dois irmãos da família Scamatti por fraude em licitação em Mirassol. A decisão, de 25 de março, condenou Pedro Scamatti Filho e Mauro André Scamatti à pena de dois anos e 4 meses de detenção em regime inicial aberto. A mesma penalidade foi aplicada a Carlécio Alves do Vale, da empresa Usina do Vale Construtora. Edna Toschi, da empresa Dame também foi condenada. Licitação para recapeamento teve como vencedora a Scamvias, pertencente a Pedro Scamatti, com proposta de R$ 147 mil.

A licitação foi na gestão de Edilson Garcia Coelho, em 2005, antes ainda das investigações da Fratelli. Coelho também foi condenado a 2 anos em regime aberto, assim como funcionários da prefeitura. Cabe recurso da decisão.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 350 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal