Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

16/04/2013 - O Diário de Mogi Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Juiz absolve família de Mogi acusada de golpes no INSS

Por: Laércio Ribeiro


O juiz de Direito Gióia Perini, da 2ª Vara Criminal de Mogi das Cruzes, absolveu dos crimes de Estelionato, Wilson Côrrea da Silva Júnior, a esposa dele Eneide Novaes da Silva e o filho do casal, Ricardo Novaes da Silva. “Os indícios que antes permitiram o recebimento da denúncia não evoluíram na fase judicial. Impõe-se absolvição aos acusados. Ante ao exposto julgo improcedente a ação penal para absolver os acusados...”.

A decisão foi comemorada pela família Silva, pois segundo revelou ontem, a O Diário, já era esperada. “Na época, eu, a minha esposa e nosso filho fomos execrados pela Polícia Civil, a qual fez questão de nos expor à Imprensa escrita e televisiva”, lamentou Wilson.

A família passou por momentos de terror em 4 de abril de 2007. “Mediante ameaças nos retiraram de nossa casa, na Vila Suissa, em César de Souza. Havia mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça, mas não de prisão”.

Eles foram acusados pelos policiais civis, coordenados pelo delegado titular João Bosco Antunes, de serem autores de “Golpes do INSS”, ou seja, seriam responsáveis em induzir as pessoas a lhes dar dinheiro em troca de supostas aposentadorias. As investigações, no entanto, “caíram por terra”.

Na ocasião, na fase policial, constaram como vítimas no inquérito aberto e presidido por João Bosco, Geneci José da Silva, José Mário de Melo, Carlos Roberto Peres e Zilzon Galdino da Silva. Na fase processual, mesmo após a denúncia aceita em juízo, o Ministério Público, em alegações finais, pediu pela improcedência da ação penal. Assim o fez os advogados de defesa da família.

Para a família Silva, “tudo não passou de uma armação. Para se ter uma ideia, a caminho da Delegacia de Itaquá, um dos policiais, que dizia ser delegado, na verdade era carcereiro. Ele pediu R$ 20 mil para a equipe deixar tudo pra lá”.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 322 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal