Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

09/04/2013 - RTP / Lusa Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Governo admite rever critérios de fraude aplicáveis à carne embalada


O secretário de Estado da Alimentação admitiu hoje rever a classificação de fraude económica para produtos que contenham vestígios de carnes não identificadas na embalagem, seguindo outros países europeus que admitem contaminações até 1%.

"A percentagem residual de outras carnes por contaminação cruzada vai até 1%, o que significa que, em algum ponto da cadeia alimentar, houve uma contaminação e é permitida em alguns países que já não pretendem considerar [estas situações] como fraude económica. Não temos essa perspetiva, mas é algo que devemos a analisar", disse hoje Nuno Vieira e Brito numa audição parlamentar.

O secretário de Estado da Alimentação e Investigação Agroalimentar foi à comissão de Agricultura e Mar a pedido do PCP para esclarecer os deputados sobre questões relacionadas com segurança alimentar e garantiu que não foram identificados riscos para a saúde pública, na sequência do escândalo relacionado com a presença de carne de cavalo em produtos de carne picada rotulada como de vaca.

"Houve um caso de fenilbutazona [um anti-inflamatório, detetado pela DECO num produto] que já tinha sido retirado e deixou de ser um risco de saúde pública", sublinhou o mesmo responsável, acrescentando que todas as análises laboratoriais e feitas pela ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica) no retalho "deram negativo".

Em declarações aos jornalistas salientou que se trata, sobretudo, de um problema de fraude.

"A questão tem a ver mais com uma questão legal de fraude do que propriamente um risco para a saúde pública. Não é um risco para a saúde pública ter 1% de uma outra carne desde que essa carne não tenha qualquer outro problema de contaminação de outro género, nomeadamente medicamentos", considerou.

Nuno Vieira e Brito salientou que em vários países europeus um erro de contaminação por cruzamento (1%) não é considerado fraude, "porque se considera um processo normal na área da transformação da agroindústria".

"Em Portugal fomos taxativos na transposição da diretiva comunitária que nos diz que é zero, apesar dessa tolerância que foi aplicada noutros países europeus", continuou o governante, acrescentando que essa "margem" tem importância do ponto de vista ordenacional e legal.

"Vale a pena analisar para não termos uma atitude muito mais restritiva do que a dos outros países", reforçou.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 86 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal