Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

05/04/2013 - Bonde News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Ex-prefeito é acionado por fraude e desvio de recursos


O Ministério Público do Paraná em Cruzeiro do Oeste, na região Noroeste, ajuizou, nesta semana, ação civil pública por atos de improbidade administrativa, contra o ex-prefeito do município de Mariluz, duas empresas e outras três pessoas, com pedido de ressarcimento aos cofres públicos.

A Promotoria sustenta que houve, no município, "fraude e desvio de recursos públicos mediante simulação da prestação de serviços de comunicação telefônica por meio de internet".

As investigações tiveram início com inspeção realizada pelo Tribunal de Contas no município de Cafezal do Sul, durante o Plano Anual de Fiscalização, que aponta "graves ilegalidades na contratação das empresas Alô Grátis Com. Mídia Eletrônica Ltda., e A. Jacob Telecom". As irregularidades, segundo a promotora de Justiça Wilza Machado Silva Lacerda, autora da ação, referiam-se a diversos pagamentos por suposta prestação de serviços de comunicação telefônica.

A apuração, na sequência, levou a outros municípios com contratos semelhantes, com as mesmas empresas: Cafelândia, Cafezal do Sul, Esperança Nova, Iporã, Maria Helena, Mariluz, Ponta Grossa, Primeiro de Maio, Tunas do Paraná, Santa Mônica, São Tomé, Xambrê e Umuarama. Nessas cidades, os técnicos do Tribunal de Contas apuraram "irregularidades consistentes em realização de procedimento licitatório fraudulento, simulação de contratos administrativos, com o suposto objetivo de prestação de serviços de transmissão de voz por meio da internet, mas, que efetivamente destinavam-se ao desvio de recursos públicos mediante o pagamento por serviços que nunca foram realizados".

A Promotoria requer, na ação, o ressarcimento integral do dano ao patrimônio público, calculado em R$ R$ 80.098,88, acrescidos de juros legais e correção monetária até o pagamento.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 123 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal