Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

01/11/2007 - Último Segundo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Parmalat garante que não comprou leite adulterado

Por: Ana Freitas


SÃO PAULO - O presidente da Integralat, Othniel Lopes, afirmou hoje que a Parmalat não produziu leite ou qualquer outro produto de lacticínio a partir de matéria-prima adulterada. A Integralat é uma empresa do grupo Parmalat criada em agosto para acompanhar e desenvolver a produção de animais e leite dentro dos padrões considerados adequados pelo grupo. “Posso dizer com certeza que a Casmil não vendeu para nós este leite possivelmente adulterado”, disse o empresário em uma coletiva de imprensa esta tarde, organizada pela Associação Brasileira de Leite Longa Vida (ABLV).

A Parmalat compra cerca de 60 milhões de litros de leite por mês. Assim que o produto chega à fábrica, passa por análises para atestar se está em conformidade com os níveis de gordura e densidade, se possui redutores (substâncias alcalinas, inclusive soda cáustica), inibidores (antibióticos) ou reconstituintes (açucares). Todas estas substâncias podem indicar fraude tanto sanitária como econômica.

Caso alguma adulteração em um destes critérios seja detectada, o material não chega nem a ser descarregado, sendo totalmente descartado e devolvido à cooperativa ou produtor de onde provém, garante a empresa. Só em 2007, a Parmalat diz já ter descartado 15 milhões de litros de leite, nenhum deles, porém, por presença de soda cáustica. “Nenhum caminhão de leite com soda cáustica foi comprado pela empresa. Se tivesse, teríamos detectado nos testes, o produto teria sido descartado e o produtor denunciado”, explicou Lopes.

O representante da Integralat afirmou ainda que 5 caminhões com cerca de 25 mil litros de leite comprados da Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro (Casmil) foram devolvidos este ano por estarem fora do padrão de qualidade exigido pela empresa. A Casmil é uma das cooperativas acusadas de batizar o leite cru que vendia com soda cáustica e água oxigenada. “O leite foi descartado por não estar de acordo com os critérios da empresa, mas não detectamos esta substância no produto”, reafirmou.

A Parmalat está em período de silêncio, mas o presidente da Integralat disse que a empresa não teria de forma alguma interesse em comprar uma matéria-prima com problemas. “A Parmalat acaba de se recuperar de uma crise e voltou há pouco ao mercado, não teria porque por em risco esta credibilidade com um erro destes”.

Sobre os lotes de leite da Parmalat interditados pela Anvisa, Othniel Lopes contou que foram produzidos a partir da matéria-prima comprada de um produtor do Rio Grande do Sul, não das suspeitas de adulteração de Minas Gerais (Casmil e Coopervale). “Os testes da Anvisa detectaram sódio em nosso produto final destes dois lotes, mas não soda cáustica”, lembrou.

Testes em suspeição

De acordo com a Associação Brasileira de Leite Longa Vida, o teste de cinzas que foi feito pela Anvisa nas amostras de leite dos supermercados e que apontou a presença de sódio no leite da Parmalat não é recomendado para ser feito no produto final, apenas na matéria-prima. Isto porque a análise não identifica se o sódio residual é proveniente de citrato de sódio ou de soda cáustica. “O citrato é permitido e adicionado ao produto antes de sua pasteurização para que a proteína do leite suporte a alta temperatura a que será submetida”, explica o vice-presidente da ABLV, Laércio Barbosa.

Segundo o professor do Instituto de Lacticínios Cândido Tostes Paulo Henrique da Silva não há nenhum teste que possa identificar a substância de onde veio o sódio no produto final. “O teste de cinzas não é aconselhado exatamente por não trazer esta resposta. Já no leite cru, que ainda não passou pelo processo de adição de citrato de sódio, esta análise é conclusiva”.

Queda nas vendas

Além de colocar em suspeição os testes feitos pela Polícia Federal e pela Anvisa, o vice-presidente da ABLV disse que as vendas de leite longa vida caíram 10% em todo o País. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, em 2006 foram consumidos 5 bilhões de litros de leite longa vida no Brasil.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 580 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal