Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

31/10/2007 - Alagoas 24 horas Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Operação Pucumã: quadrilhas são acusadas de desviar mais de R$ 10 milhões


Quatro quadrilhas especializadas em fraudes contra o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) foram desarticuladas na manhã de hoje, 31 de outubro, com a deflagração da chamada Operação Pucumã. Até o momento, foram cumpridos pela Polícia Federal (PF) pelo menos 14 mandados de prisão, além de outros de busca e apreensão, nos estados de Pernambuco, Paraíba, Alagoas, Sergipe e Bahia. Ainda não foi feita a consolidação de todos os mandados já executados. Ao todo, a Justiça

Federal autorizou a cumprimento de 45 mandados de prisão e 39 de busca e apreensão.

Os presos estão sendo encaminhados para a sede da Superintendência da Polícia Federal em Pernambuco, no Recife, onde serão interrogados pelos delegados da PF responsáveis pela operação. Os procuradores da República Sérgio Rodrigo Pimentel de Castro, Rafael Ribeiro Nogueira e Andréa Walmsley Soares acompanham os interrogatórios.

Após a conclusão das investigações, o MPF vai analisar as provas obtidas e decidirá se vai oferecer, ou não, denúncia contra os suspeitos, o que pode dar origem à ação penal.

As investigações, iniciadas em maio, revelaram que as quadrilhas atuavam nos cinco estados há cerca de 15 anos, de forma independente. Mas havia contato entre os diferente grupos. As fraudes visavam à obtenção indevida de benefícios previdenciários ou assistenciais. O prejuízo aos cofres públicos já verificado chega a quase R$ 2,58 milhões. Mas estimativas indicam que pode ser superior a R$ 10 milhões.

Servidores - Os envolvidos no esquema criavam certidões de nascimento falsas de pessoas que não existiam e, com isso, obtinham Carteiras de Trabalho e da Previdência Social (CTPS) e Cadastros de Pessoa Física (CPF). De posse desses documentos, conseguiam os benefícios indevidos junto ao INSS, com a colaboração de servidores da autarquia que inseriam os dados falsos no sistema, em troca de pagamento pela participação na fraude. Os valores eram sacados das agências bancárias por "laranjas", para evitar a identificação das imagens registradas pelos circuitos internos de televisão.

As quadrilhas ainda obtinham empréstimo consignado em financeiras com documentos falsos e, sem o conhecimento do segurado, transferiam seu benefício para outra Agência da Previdência Social (APS) com o objetivo obter novos cartões bancários de saques. Os grupos criminosos também continuavam sacando benefícios de pessoas já falecidas.

Os possíveis crimes em investigação são: inserção de dados falsos em sistema de informações (art. 313-A do CP), formação de quadrilha ou bando (art. 288 do CP), corrupção ativa e passiva (arts. 333 e 317, respectivamente, do CP), estelionato (art. 171, § 3º, do CP), falsidade material e ideológica (arts. 297 e 299, respectivamente, do CP) e furto (art. 155, § 4º, IV, do CP).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 279 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal