Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

15/03/2013 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Em Imperatriz, garçons são presos por suspeita de falsificar bebidas

Por: Lenno Edroaldo

Segundo a polícia, mais de 60 garrafas de whisky foram apreendidas. Envolvidos no caso foram autuados por crime contra a saúde pública.

Quatro garçons foram presos, nesta sexta-feira (15), pela Polícia Civil de Imperatriz, por suspeitas de falsificar bebidas alcoólicas, principalmente whisky. Além da formação de quadrilha, eles foram autuados por crime contra a saúde pública, segundo o delegado Tiago Mattos Bardal.

A fraude era realizada nas próprias residências dos suspeitos e foi descoberta após denúncias feitas ao serviço de inteligência. “Nós montamos uma operação em quatro locais diferentes e conseguimos apreender, até o momento, mais de 60 garrafas, que eram revendidas principalmente na cidade”, disse o delegado.

Para a prática da fraude, os suspeitos utilizavam bebidas como conhaque, vodcka e outras destiladas. “Eles juntavam o líquido, colocavam nas garrafas como se fosse whisky verdadeiro e depois vendiam”, explicou. Para tanto, os suspeitos adotavam um equipamento feito com câmaras de pneus: “Com isso eles conseguiam adulterar o líquido sem danificar as garrafas”.

Segundo o delegado, a profissão dos suspeitos ajudava na falsificação das bebidas. “Como eles são garçons, muitas das vezes pegavam as garrafas e as caixas das bebidas onde trabalhavam e as utilizavam na hora das vendas, sem que os clientes desconfiassem”, afirmou Bardal.

Além da adulteração de whisky, de acordo com o delegado os suspeitos também fraudavam lacres que são emitidos pela receita federal

Apesar da descoberta, a polícia ainda não conseguiu contabilizar quanto os suspeitos lucraram com a fraude. “Estamos em processo de investigação. O que eles nos disseram é que compravam as bebidas utilizadas na adulteração a mais ou menos R$ 30 e vendiam a R$ 60 pelo menos”, finalizou.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 145 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal