Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

15/03/2013 - Jornal Umuarama Ilustrado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Advogados de Umuarama são presos junto com gang que fraudava aposentadoria rural


Naviraí/MS e Umuarama – A Polícia Federal deflagrou ontem a Operação Lavoro, com a finalidade de combater crimes na área previdenciária. Mais de 140 policiais federais cumpriram 12 mandados de prisão temporária e 29 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal nas cidades de Naviraí, Campo Grande, Jutí, Itaquiraí, no Mato Grosso do Sul e, também, em Umuarama, onde um casal de advogados acabou sendo preso no centro da cidade (os nomes não foram divulgados pela PF).
São alvos da Operação da PF escritórios de advogados, servidores públicos do INSS em Naviraí, presidentes de três sindicatos de trabalhadores rurais (Naviraí, Juti e Itaquiraí), agenciadores e uma financeira, todos envolvidos na concessão de benefícios previdenciários fraudulentos.
A fraude consistia em obter aposentadorias rurais para pessoas que nunca trabalharam no campo ou não possuíam o tempo necessário para ter direito ao benefício. Conseguida a aposentadoria, os integrantes do esquema faziam empréstimos consignados em uma financeira da cidade para o pagamento dos envolvidos. Os investigados cobravam em média 5 mil reais pela concessão de cada benefício fraudulento.
Segundo a PF, os envolvidos tiveram o sequestro e bloqueio dos bens. Dois servidores do INSS foram afastados de suas atribuições e também foram apreendidos 15 carros, quatro motos, dois barcos, uma espingarda e R$17 mil em espécie.
Há informações de que os advogados presos em Umuarama não teriam praticado o crime na cidade ou região e sim em atuação com clientes de cidades do Mato Grosso do Sul.
Em Dourados
O gerente executivo do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) de Dourados, Francisco Carlos da Silva, concedeu entrevista à imprensa ontem para esclarecer os fatos da “Operação Lavoro”, A agência já vinha sendo alvo de investigações que partiram da Polícia Federal desde 2011 e na operação ocorrida, dois servidores daquele município foram presos. Porém, o gerente acredita que o problema não abranja a agência de Dourados. “O INSS faz defesa absoluta de todos os seus servidores, a exceção são esses servidores, que foram afastados imediatamente dos cargos, e não acredito que haja ramificações por aqui. Lembrando que a gerência de Dourados é composta por 15 agências que ficam em municípios como Bataguassu, Mundo Novo e Ponta Porã”.
Segundo Francisco, um dos servidores já havia respondido, em outra ocasião, um processo administrativo por fraude, “mas ele foi inocentado, há quatro anos, e voltou a atuar, tínhamos desconfiança, fazíamos averiguações nos processos que ele concedia, mas o que fazia fora da agência não tem como descobrir. E a outra servidora presa foi uma surpresa por que tínhamos como uma pessoa honesta”, disse.
Os processos escolhidos para a fraude eram os de aposentadoria rural, pela região de Naviraí e Itaquiraí serem ligadas mais a produção rural, então os servidores convenciam as pessoas que elas poderiam ser aposentadas, mesmo não tendo direito.
“Eles aliciavam as pessoas, algumas sabiam que era errado, mas eles explicam, convenciam e falavam que a pessoa ia ficar recebendo para o resto da vida, então muitos aceitavam. E para isso os servidores cobravam dinheiro, que no caso os beneficiados faziam empréstimos e pagavam a eles”, falou .

GOLPE

Explicou também que para a concessão de aposentadoria rural é preciso documentos de sindicatos e entrevista, “eles acreditavam que esse tipo de processo era mais fácil, então os servidores treinavam a pessoa antes e elas falavam o combinado, por isso a aposentadoria era concedida como se fosse verdadeira”, disse Silva. Os envolvidos passarão por Processo Administrativo Disciplinar e sendo culpados podem ser advertidos, suspensos e até demitidos. Em caso de comprovação podem até ter que devolver os valores desviados. “O INSS tem amplo interessem em apurar tudo e depois do resultado aplicar a punição cabível em cada situação e como a quadrilha atuava desde 2011 ainda não foram apurados os valorem que foram desviados, por benefícios concedidos indevidamente”, ressaltou Francisco Carlos da Silva. A Polícia Federal fez as investigações junto a um serviço de inteligência da Previdência, a APE (Assessoria de Pesquisas Estratégicas).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 331 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal