Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

07/03/2013 - Diário Digital / Lusa Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Carne de cavalo: Problemas podem ser mais abrangentes do que fraude económica, diz DECO


Os problemas relacionados com carne de cavalo rotulada como produtos de origem bovina podem ser mais abrangentes do que uma mera fraude económica e demonstrar falta de controlo de todo o processo, disse hoje à agência Lusa fonte da Deco.A Deco anunciou hoje que detetou vestígios do medicamento anti-inflamatório fenilbutazona em produtos alimentares à venda em Portugal - nas amostras de hambúrgueres Auchan e nas almôndegas Polegar -, o que é proibido na alimentação humana. Esta substância é normalmente administrada em cavalos de desporto.

Em declarações à Lusa, engenheiro-técnico alimentar da Deco, Nuno Dias, afirmou que, embora a quantidade da susbtância detetada não represente um perigo para a saúde pública, a associação alerta que o problema pode ser mais abrangente e demonstrar uma eventual falta de controlo de todo o processo - desde a alimentação do cavalo até ao abate.

"Os problemas podem ser mais abrangentes do que se pode pensar", disse Nuno Dias, dois dias depois de uma equipa da Deco, na qual participa este técnico alimentar, ter sido ouvida na comissão parlamentar da Agricultura e do Mar sobre esta matéria.

Na altura, os responsáveis disseram que aguardavam as análises no prazo de duas semanas, mas os resultados, efetuados por "um laboratório de referência da União Europeia" chegaram hoje.

"No total foi analisada a presença de 14 anti-inflamatórios, dos quais apenas a fenilbutazona deu positivo", adiantou o responsável.

"Já enviámos os dados para a ASAE [Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica], a secretaria de Estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar e os grupos parlamentares", acrescentou, tal como o grupo Auchan.

Nuno Dias adiantou que o laboratório onde foram feitas as análises vai informar o país do resultado das mesmas, dando sequência a um alerta rápido, já que é "uma comunicação obrigatória" neste tipo de casos.

O responsável da Deco disse desconhecer o que é que a ASAE está a fazer sobre este assunto, se pediu análises ou qual o ponto de situação e defendeu uma maior transparência das entidades fiscalizadoras em Portugal, à semelhança do que acontece em outros países da União Europeia.

Ou seja, a Deco defende que os consumidores precisam de ser informados sobre quais as marcas, as cadeias de empresas e percurso dos alimentos que consomem, de forma "a evitar uma suspeição geral".

O grupo Auchan reiterou hoje que os produtos em causa já não estão à venda em Portugal desde 22 de fevereiro.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 189 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal