Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

01/03/2013 - Jornal de Notícias Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Falsas barrigas de grávida são sucesso na China


As barrigas de silicone para fingir uma gravidez, que podem ser compradas em muitas lojas "online" da China, converteram-se num grande negócio naquele país asiático. Ali, muitas mulheres utilizam-nas para terem o direito a um lugar sentado nos transportes públicos, entre muitas outras vantagens.

De acordo com o jornal "Nova Pequim", o produto, que é vendido a preços entre os 300 e os 700 yuanes (cerca de 40 e 90 euros), tem uma grande procura graças à publicidade na Internet e até nos meios de comunicação social. As mulheres podem, inclusive, escolher um modelo de acordo com o "tempo de gestação" que lhes convém. Há, também, barrigas de grávidas de gémeos, trigémeos e quadrigémeos.

"Já não vai precisar mais de ir para a fila e no autocarro terá, seguramente, um lugar sentada", salienta a publicidade numa das páginas promocionais. Os implantes foram criados como disfarces e como proteções para mulheres grávidas.

Apesar do êxito alcançado pelos implantes, a verdade é que tinham passado quase desapercebidos dos chineses até, esta semana, uma mulher, de apelido Zhang, ter sido apanhada em flagrante com uma falsa barriga de grávida no metro de Pequim.

Zhang vive nos arredores da capital chinesa e comprou o implante para viajar mais comodamente durante as longas viagens que faz, diariamente, até ao seu local de trabalho, no centro de Pequim.

Pelos vistos, a mulher descuidou-se e deixou que a barriga "mexesse" demasiado, o que foi facilmente notado pelos outros passageiros, que acabaram por perceber o "truque".

A mulher ainda tentou responsabilizar a empresa que lhe vendeu o implante, alegando que o produto não cumpriu a sua função principal (enganar as pessoas). Contudo, de nada lhe valeu e a resposta que obteve foi que "quando se utiliza o produto para enganar as pessoas, há que assumir as responsabilidades".

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 136 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal