Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

25/02/2013 - Mídia News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

CGU aponta fraudes milionárias em contratos de hospitais no Rio

Maior fraude aconteceu no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia.

O relatório da Controladoria Geral da União (CGU) apontou fraudes em contratos assinados entre os anos de 2005 e 2012, em cinco hospitais federais e órgãos públicos de saúde do Rio. De acordo com a reportagem publicada neste fim de semana pela Revista Época, o desvio passou de R$ 30 milhões, conforme mostrou o RJTV desta segunda-feira (25).

A maior fraude aconteceu no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Segundo a auditoria da CGU, o desvio de dinheiro ultrapassou R$ 21 milhões. O relatório mostra que até a garrafa d’água fornecida ao hospital era superfaturada. Ainda de acordo com a reportagem, a empresa Padre da Posse Restaurante Limitada forneceu ao Into água mineral com sobrepreço de 219%.

A unidade de 600 milílitros deveria sair por 0,77, mas o preço cobrado do hospital foi de R$ 2,46. Segundo a reportagem, quando o atual secretário estadual de saúde do Rio, Sérgio Cortês, era diretor do Into, foram contratadas três empresas que participaram do esquema ilegal.

Segundo o documento, a Rufollo - empresa de serviços técnicos, foi quem causou o maior prejuízo em contratos com o Into: foram mais de R$ 16 milhões na prestação de serviços de apoio administrativo, fornecimento de lanches, limpeza e conservação.

Ainda de acordo com o documento, houve desclassificação de concorrentes que tinham propostas mais vantajosas, conluio entre empresas, contratação de terceirizados sem necessidade e fiscalização deficiente.

Fraudes em licitações
Além das empresas Padre da Posse e da Rufollo, também aparecem no relatório a Toesa Service, que causou prejuízo de mais de R$ 1 milhão e a Locanty Comércio e serviços com mais de R$ 3 milhões, a hospitais e órgãos públicos de saúde.

O relatório da CGU foi elaborado depois que em março do ano passado, o Fantástico denunciou como empresas agiam para fraudar as licitações do hospital de pediatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Durante dois meses, o repórter disfarçado gravou com uma câmera escondida funcionários e donos dessas empresas citadas no relatório oferecendo propina e combinando valores para vencer as concorrências.

Os valores cobrados eram muito acima dos preços de mercado, com margem para pagar a propina.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 93 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal