Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

18/02/2013 - Aquidauana News / FolhaPress Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

STJ nega liberdade a suspeitos de corrupção no Espirito Santo


O STJ (Superior Tribunal de Justiça) negou liminar que pedia a soltura de quatro investigados por esquema de corrupção investigados pela operação Derrama, deflagrada em dezembro de 2012 pela Polícia Federal do Espírito Santo.

A operação foi realizada após pedido do TC-ES (Tribunal de Contas do Espírito Santo), que apontou a existência de um esquema de corrupção nas prefeituras de Anchieta, Aracruz, Guarapari, Linhares, Jaguaré, Piúma e Marataízes.

Com a decisão continuam presos Edson Figueiredo Magalhães, ex-prefeito de Guarapari; Alcino Cardoso, ex-prefeito de Itapemirim; Ademar Coutinho Devens, ex-prefeito de Aracruz, e Lidiel Silva Scherrer, ex-secretário da Fazenda de Aracruz.

Todos são suspeitos de participar de um esquema de corrupção e desvio de recursos em prefeituras do Estado. Os investigados cumprem prisão preventiva, decretada pelo Tribunal de Justiça do Espírito Santo.

Segundo o STJ, as defesas dos suspeitos sustentam que os investigados não representam risco por não terem mais vínculo com a administração.
Outra investigada pela operação Derrama, a ex-prefeita de Itapemirim, Norma Ayub Alves, já teve sua prisão revogada.

Para a desembargadora Marilza Maynard, responsável pela decisão, os investigados mantêm relação com a administração desses municípios. "Não se pode ignorar que os representados [suspeitos] são pessoas com íntima relação e influência no âmbito da máquina administrativa de seus municípios".

Esquema

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo, o TC-ES levantou documentos que indicavam ações ilegais na contratação da empresa CMS Assessoria e Consultoria Ltda, que oferecia serviços de recuperação de tributos municipais. A PF começou a investigar o caso em julho de 2012.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 139 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal