Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

18/02/2013 - Boa Informação / Agência A Tarde Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Como levei gato por lebre de propósito


Achei que seria mais difícil. Em uma tarde no final de janeiro, fui à Feira de São Joaquim com a missão de verificar o comércio de medicamentos ilegais no local.

Não foi uma ideia original. Há pouco mais de um ano, dois repórteres de A TARDE já haviam feito o mesmo. Assim, deveria só conferir se o esquema continuava ativo.

Tinha até uma história pronta: grávida de 19 semanas, iria pedir azitromicina, um antibiótico prescrito para, entre outros problemas, tratar gonorreia e clamídia. O remédio é contraindicado para grávidas.

Entrei na feira e comecei a procurar por remédios. Após perguntar a três vendedoras, elas disseram não haver farmácia ali. Logo, um homem me abordou e perguntou o que eu queria.

Expliquei. Ele começou dizendo que ali não tinha remédio, mas depois mudou o discurso e contou que haviam vários vendedores oferecendo na entrada da feira o Cytotec, um medicamento abortivo proibido para comercialização há oito anos no País.

Depois que pedi para falar com um deles, sob a justificativa de que “talvez eles soubessem”, o barraqueiro acenou para um homem sentado na entrada da feira.

Facilidade

O homem, um senhor de meia-idade com jeitão malandro, quando descrevi o azitromicina assumiu uma expressão de quem não sabia sobre o que eu estava falando. Mas bastou ver minha barriga e ouvir as palavras “partes íntimas” para me apresentar o Cytotec.

Deve ter achado que minha gravidez era a infecção a ser curada. O preço? R$ 50 cada comprimido. Mas, pelo meu estágio, só ia resolver se tomasse “uns três”.

Como eu não possuía a quantia na mão, ele me acompanhou até a um banco e me passou os comprimidos garantindo que não ofereciam “risco nenhum”.

Tudo isso ocorreu no início da feira, a alguns metros de policiais da Rondas Especiais (Rondesp), que faziam uma batida no local. O medicamento, que custou R$ 110 após “pechincha”, foi entregue ao Ministério Público da Bahia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 143 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal