Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

15/02/2013 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MP denuncia trio por fraude no seguro DPVAT em Imperatriz, MA

Aliciadores colhiam documentos das vítimas e davam entrada no seguro. Bando chegou a falsificar laudos do IML a fim de comprovar a lesão, diz MP.

O Ministério Público do Maranhão (MP-MA) propôs ação penal contra um trio suspeito de praticar fraudes para obtenção do seguro DPVAT (Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), em Imperatriz, MA.

A denúncia foi protocolada na Justiça na semana passada. De acordo com a ação, Francisco de Assis Silva Andrade, Francisco das Chagas Cruz Rêgo e a advogada Samira Valéria Davi da Costa ofereciam o "serviço" a vítimas hospitalizadas. Os aliciadores colhiam das vítimas os documentos necessários para dar entrada no seguro e exames médicos a fim de comprovar a lesão.

O grupo cobrava em média 20% de honorários e dividiam entre si. A promotora da 3ª Promotoria de Justiça Criminal de Imperatriz, Raquel Chaves, informou que o trio chegava a falsificar ou mesmo adquirir de falsificadores cópias fraudulentas de laudos do Instituto Médico Legal (IML) e repassá-los a escritórios de advocacia.

Como as falsificações eram feitas de modo grosseiro, com números de registros pertencentes a outras pessoas, linguagem médica imprópria, erros e dialeto comum a laudos do Instituto de Criminalística (Icrim) e não do IML.

Para as vítimas condenadas por litigância de má-fé, foram pedidos os arquivamentos dos processos. As vítimas, em audiência, afirmaram nunca terem realizado exames de corpo de delito no IML e nunca terem sido entrevistadas pela advogada.

Samira Valéria nega a prática de fraudes. Para a promotora Raquel Chaves, se ela realmente não soubesse do esquema, a advogada certamente buscaria interpelar os clientes e funcionários sobre os crimes. "Até para se resguardar porque as ações foram ajuizadas por ela, assim, seu silêncio demonstra claro envolvimento com o esquema”, afirmou.

Se condenados, a pena dos três pode chegar a 15 anos de detenção, somando as denúncias das vítimas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 195 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal