Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

08/02/2013 - 180 Graus / O Globo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Site que vendia ingressos falsos de shows dava endereço de pedreiro

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Delitos Cometidos por meios Eletrônicos.

A produção de Roberto Carlos denunciou, nesta quarta-feira, à polícia que o site magicaeventos.com.br comete fraudes e lesa o público do cantor. A Mágica Eventos estaria vendendo entradas para apresentações de Roberto Carlos sem autorização da produção e deixando os compradores sem os ingressos. A equipe do músico alega que somente o site oficial de Roberto Carlos faz vendas de bilhetes para quaisquer de seus espetáculos.

— O processo cível e o inquérito criminal foram abertos. A equipe da delegacia garantiu que vai tomar todas as medidas para que o caso seja resolvido. A nossa principal preocupação é com o público e para que não haja um desgaste por parte deles com Roberto Carlos — diz a advogada da produtora do Rei, Fernanda Gutheil.

A reportagem não conseguiu estabelecer contato telefônico com os responsáveis pela Mágica Eventos, que, em sua página, também comercializa entradas para shows de Elton John, André Rieu, carnaval na Sapucaí e Copa das Confederações, importante evento esportivo preparatório para Copa do Mundo de 2014.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Delitos Cometidos por meios Eletrônicos de São Paulo. O delegado responsável, Ronaldo Tussunian, por meio da assessoria do órgão, explica que é preciso ter cautela ao fazer as acusações. Duas são as hipóteses: fraude de bilhetes falsos ou revenda de ingressos. Ele dedicou a tarde desta quinta-feira para pegar depoimentos de vítimas e tentar ouvir os acusados.

Casa de pedreiro

O endereço informado pela Mágica Eventos em sua página na internet fica numa área residencial da região administrativa Riacho Fundo II, a 25 quilômetros de Brasília. No local, não há uma empresa, mas sim uma casa de dois quartos, onde mora o pedreiro Francisco de Assis, de 60 anos, com a mulher, uma filha e duas netas.

Assis disse que nunca tinha ouvido falar da Mágica Eventos até ser procurado pela polícia. Ele conta que chegou a ser intimado e que compareceu à delegacia no ano passado. Vivendo no local há cerca de quatro anos, ele paga R$ 450 de aluguel por mês para a dona do imóvel, Maria Dulce Pimenta Delfino, que tem um salão de beleza e é vizinha do imóvel.

— Vou na delegacia para processar o dono dessa empresa. Como que ele monta uma coisa fantasma? —disse Maria Dulce.

Segundo ele, a familia tinha o hábito de não pegar as correspondências, dizendo para o carteiro que ninguém ali era o destinatário. Por orientação de Maria Dulce, porém, Assis ficou com a última intimação entregue em janeiro.

Trata-se de uma ação de ressarcimento e danos morais impetrada no 5.º Juizado Especial Cível/Fazendário de Copacabana, no Rio. O autor da ação conta que pagou R$ 2.160, mas não recebeu os quatro ingressos adquiridos através da Mágica Eventos para o show de Roberto Carlos, "no melhor setor" do Maracanazinho, em dezembro de 2012.

— É constrangedor, os vizinhos pensam que tenho dívidas. Estou como laranja, mesmo que não conste o meu nome. Se eu pegasse o dinheiro todo de um show do Roberto Carlos ia lá para o Rio Grande do Norte passar um mês. Quem não deve não teme.

Pela internet, é possível constatar que o domínio www.magicaeventos.com.br está registrado em nome da empresa Braun Promoção de Eventos Ltda, e que foi criado em outubro de 2011. O dono, José Luiz Braun, afirma que seus dados foram utilizados indevidamente. Ele disse que registrou ocorrência na polícia, no ano passado, após receber o telefonema de um suposto cliente lesado pelo site que queriam receber o dinheiro de volta.

— Me ligaram de São Paulo dizendo que estava devendo 20 ingressos. Fui direto à delegacia de polícia. Nunca mexi com isso (venda de ingressos pela internet). O site que temos é o da minha academia — disse Braun.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 231 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal