Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

25/10/2007 - Última Instância Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Banco deve indenizar militar por cheques com assinatura falsa


O juiz auxiliar da 12ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte, Carlos Salvador Carvalho de Mesquita, condenou um banco de Belo Horizonte a pagar R$ 4.595 de indenização a um militar reformado, que foi surpreendido com uma série de cheques devolvidos sem que tivesse solicitado o talão.

De acordo com informações do tribunal, o militar reformado mantinha uma conta no banco para recebimento de salário e sempre sacou em dinheiro. E, segundo ele, nunca solicitou e tampouco utilizou o talão de cheques. Mas por um erro do banco, foi surpreendido com informação da devolução de vários cheques como sendo de sua emissão, o que lhe causou vários dissabores e constrangimentos.

Após esse evento, somente podia sacar seus vencimentos mediante autorização da gerência, além de ter seu nome incluído em cadastro de proteção ao crédito.

Diante de tais fatos o militar requereu a microfilmagem dos valores debitados em sua conta. Foi constatado que se tratava de cheques com assinaturas falsas. O banco lhe enviou correspondência informando que se tratava de devolução indevida por falha funcional, e que estavam sendo tomadas providências a fim de solucionar o problema.

Segundo o militar a situação tornou-se pior quando ao se dirigir a agência para receber sua pensão, foi surpreendido com a notícia de que a restrição ao saque permanecia, pois estava com seu crédito negativo, junto aos órgãos de restrição ao crédito.

Indignado com a situação, foi encaminhado para o caixa onde receberia uma autorização especial para sacar seu dinheiro, porém, enquanto não regularizasse seu crédito, não poderia utilizar dos serviços bancários e não faria jus aos benefícios concedidos aos clientes com nome limpo.

Por tudo que passou e pelo constrangimento, o militar entrou na Justiça pedindo o pagamento de indenização pelos danos materiais e morais suportados, o equivalente a R$ 30 mil. Pediu também a antecipação de tutela para suspender a negativação de seu nome.

O banco em sua defesa alegou que a devolução dos cheques foi legal. Uma vez que fundamentada em débitos existentes na conta do militar, tendo agido no exercício regular de seu direito e que não houve provas da inclusão indevida do nome do militar nos cadastros de restrição ao crédito.

Citou que o militar não declarou ter sido impedido de comprar a crédito, nem sofreu constrangimento perante terceiros, o que impossibilita a caracterização de dano moral.

Alegou também que tomou todas as medidas cabíveis para solucionar o caso ao ser notificado dos cheques devolvidos e que em nenhum momento o autor teve sua conta bloqueada, sendo possível receber seus vencimentos.

Decisão

O juiz cita que os extratos deixam claro o estorno das quantias debitadas indevidamente da conta corrente do militar, a título de CPMF e de “taxa de devolução de cheques”, portanto não cabe falar de danos materiais.

O magistrado ressalta que, a respeito dos danos morais, o militar tem razão em apenas uma parte do pedido, pois, como sustentado pelo banco, “não há qualquer demonstração idônea nos autos de inscrição do nome do militar em cadastros de proteção ao crédito, tais como o SPC e o Serasa”.

Mas o juiz ponderou que existiu o constrangimento sofrido militar de cerca de 60 anos de idade, “ao ser impedido de acessar sua conta bancária por equívoco atribuível única e exclusivamente à instituição financeira”.

Para ele, “os prejuízos no campo moral, acarretados ao autor, são indiscutíveis e devem ser corretamente indenizados pelo ofensor”. Ele julgou parcialmente procedente o pedido do militar e fixou a indenização em R$ 4.595, valor idêntico ao da soma dos cheques emitidos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 390 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal