Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

15/01/2013 - Diário do Nordeste Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraudes causam desabastecimento de água na Capital

Por: Luana Lima

Por ano, o Ceará perde quatro milhões de metros cúbicos de água, equivalente ao consumo da população de Iguatu.

Ligações clandestinas de água são as grandes responsáveis pelo problema de abastecimento de água em Fortaleza. É o que alerta a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece). Cerca de quatro milhões de metros cúbicos de água são perdidos por ano devido a ligações irregulares nas redes de água da Cagece. A quantia equivale ao consumo, durante um ano, da população do município de Iguatu (aproximadamente 100 mil pessoas). Cada pessoa gasta por dia uma média de 150 litros de água.

No ano passado, só pelas equipes especializadas da Cagece, foram identificadas 2.850 ligações fraudulentas na Capital. "Mas o número é muito maior", salienta Luiz Celso, gerente de Controle de Perdas e Eficiência Energética da Companhia. Para agravar a situação, geralmente a pessoa que frauda utiliza muito mais água do que um usuário normal. "Já achamos, dentro da Região Metropolitana de Fortaleza, casos de fraudes para encher açudes", exemplifica o gestor.

Multas

Para combater práticas irregulares nos sistemas de água e esgoto, a Cagece fixou nova tabela de multas, que entrou em vigor em setembro do ano passado. A nova tabela cria também dois tipos de multas: uma para o lançamento de águas pluviais na rede de esgoto e outra para o lançamento na rede de esgoto de efluentes fora dos padrões (para indústrias). Com a medida, o gerente de Controle de Perdas espera que haja um constrangimento maior em relação aos fraudadores, uma vez que as multas vão ficar mais pesadas.

By-pass (desvio da tubulação original) e violação do hidrômetro são as fraudes mais comuns. Conforme tabela da Cagece, pelas infrações, o valor da multa varia de R$ 172,50 a R$ 925,00 para residências, e de R$ 557,50 a R$ 2.325,00 para estabelecimentos comerciais.

Celso explica que a Cagece tem um sistema de abastecimento de água principal - o macrosistema -, que transporta água da estação de tratamento até as redes de abastecimento. Nesse caminho, se ocorrerem ligações clandestinas, fica difícil da água chegar nos bairros periféricos da cidade, que é onde ocorre maior incidência de fraudes. "O vilão da história, que muita gente acha que é a Cagece, muitas vezes é o próprio vizinho, o cidadão que está ali furtando água e acaba faltando para o próximo. É importante que as pessoas denunciem", alerta Celso.

Esgoto

Diferentemente das ligações clandestinas na rede de água, mais fáceis de identificar por causa do hidrômetro aparente, em se tratando das ligações irregulares de esgoto, a fiscalização é mais difícil, porque é necessário levantar a tampa para confirmar se o imóvel está ligado.

Ainda assim, nos últimos três anos, em torno de 700 ligações fraudulentas foram identificadas pela Cagece. Nesse mesmo período, quase 15 mil visitas foram realizadas. No caso de ligações clandestinas na rede de água pluvial, o esgoto será jogado de forma bruta no meio ambiente, prejudicando a balneabilidades das praias.

O problema é grave e pode ser visto em toda a orla da Capital. Na Avenida Beira-Mar, área nobre e um dos principais cartões postais de Fortaleza, em frente à tradicional feirinha de artesanatos, uma tubulação que só deveria receber água da chuva despeja ligações clandestinas de esgoto, chamando atenção de quem passa. O problema é antigo, tanto que os comerciantes estão descrentes em uma solução.

Eduardo Rios, 56 anos, que trabalha na feirinha há 27 anos, comenta que, quando chegou ao local, a feira ainda era exposta no calçadão da Beira-Mar e o esgoto já existia. "Prejudica muito as vendas. O que o turista mais repara é justamente nesse esgoto, que cria uma fedentina danada", reclama.

A esperança do comerciante é que, com a reforma da Beira-Mar, o problema seja resolvido. Ainda assim, ele diz que o correto seria descobrir de onde vem as ligações clandestinas. "A rede é de água pluvial, mas deve ter ligação irregular, pois não para de sair esgoto", diz. Sobre o caso específico, Facó informa que a Cagece está realizando estudo com a Prefeitura para ver uma forma de solucionar o problema.

Consumo

150 litros de água é quanto uma pessoa gasta por dia. Ano passado, foram encontradas 2.850 ligações clandestinas em Fortaleza

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 134 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal