Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

03/02/2013 - Século Diário Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

TJES nega desbloqueio de bens de acusados de fraudes em licitação do DER-ES

Por: Nerter Samora

Desembargadores negaram recurso de empresário em ação de improbidade; lentidão do MPES livrou Bragato de responder processo.

A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) negou recurso do empresário José Carlos Zamprogno, sócio-proprietário da empresa Tervap Pitanga Mineração e Pavimentação (que também consta no processo) contra o bloqueio de bens em uma ação de improbidade por supostas fraudes em obras do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DER-ES).

O acórdão da decisão, publicado nessa sexta-feira (1), informa que o colegiado reconheceu a presença de indícios suficientes para a manutenção da medida liminar, deferida nos autos da ação de improbidade que tramita na 3ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública Estadual.

"Não cabe ao tribunal debater em sede de agravo o mérito da questão que tramita em 1º grau sob pena de cometer-se atentado à supressão de instância. Deste modo, cabe a verificação da legalidade da permanência da tutela antecipada e, havendo os indícios de improbidade e demais elementos, assim manter a decisão”, aponta um dos trechos do acórdão redigido pelo relator, desembargador Ronaldo Gonçalves de Sousa.

Chama a atenção neste processo, a ausência entre os réus do atual presidente da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan), Neivaldo Bragato, ex-secretário de Transportes e ex-presidente do Conselho do DER-ES no governo Paulo Hartung (PMDB). Ele figura na ação penal relacionada ao caso, mas foi “esquecido” na ação cível sobre as mesmas fraudes.

Ambos os processos tratam de uma suposta “emergência fabricada” para a realização de obras de contenção da encosta na rodovia ES-060, no trecho entre Marataízes e Marobá, no litoral sul do Estado. Na esfera criminal, o ex-secretário Neivaldo Bragato e mais cinco pessoas respondem pelo possível direcionamento do contrato da empreitada, avaliado em R$ 3 milhões.

Entretanto, a ação de improbidade que tramita na esfera cível traz apenas os nomes do ex-diretor do DER, Eduardo Antônio Mannato Gimenes, e do empresário José Carlos Zamprogno e de sua empresa, a Tervap Pitanga. O juízo chegou a determinar o bloqueio dos bens dos denunciados em até R$ 8,95 milhões, valor indicado para a causa. Mesmo com a origem comum – resultado do mesmo procedimento no Ministério Público Estadual (MPES) –, os casos tiveram desfechos bem diferentes.

Além do ex-diretor e ex-conselheiros do DER, o procurador do órgão, Adiomar Malbar da Silva, também foi denunciado na ação penal, por ter ignorado o fato de o decreto de emergência que justificou a contratação ter sido publicado pela prefeitura de Itapemirim, e não pela prefeitura de Marataízes, onde aconteceram as obras. Em julho do ano passado, a juíza Cláudia Vieira Araújo considerou que os fatos relatados são suficientes para o recebimento da denúncia criminal contra todos envolvidos. Relevância que não foi suficiente para implicar os mesmos denunciados na ação cível.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 588 vezes




Comentários


Autor e data do comentário: Felipe de azevedo - 21/09/2015 12:20

e essa acao ja foi arquivada?? ou continua andando?


Autor e data do comentário: Felipe de azevedo - 21/09/2015 12:16

e essa acao ja foi arquivada?? ou continua andando?



O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal