Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

16/01/2013 - Alagoas 24 horas Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MPE denuncia Toninho Lins por novas fraudes e pede prisão de prefeito


O Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL) ofertou, novamente, nova denúncia contra Antônio Lins Souza Filho,o Toninho Lins, prefeito do município de Rio Largo. Esta é a 6ª denúncia formal apresentada contra o gestor público em apenas um ano. Toninho Lins é acusado de seis ilícitos, dentre eles, apropriação de bens ou renda pública em proveito próprio. E, em face do cometimento dos crimes, o MPE/AL também pediu a prisão do prefeito e de outras sete pessoas.

As investigações que descobriram novas fraudes praticadas pelo prefeito de Rio Largo foram conduzidas pelo Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) do Ministério Público Estadual. Após cumprir mandados de busca e apreensão e ouvir ex-secretários e servidores da Prefeitura de Rio Largo e também empresários, os promotores Alfredo Gaspar de Mendonça, Luiz Tenório Oliveira de Almeida e Hamílton Carneiro Júnior constataram que uma organização criminosa foi montada com fins de desviar recursos públicos daquele município.

Causando prejuízo de R$ 135.615,00, a quadrilha é acusada da prática de apropriação de verbas públicas, fraudes em licitações, peculato, furto, falsificação de documento particular, uso de documentos falsos, falsidade ideológica e formação de quadrilha. Respondem pelas acusações: Toninho Lins; Genivaldo de Holanda Cavalcante - ex-secretário de Obras e Urbanismo de Rio Largo; Daniel Lima Fernandes, ex-secretário de Finanças de Rio Largo; Josefa Petrúcia Melo Moraes, servidora pública de Rio Largo; José Cícero Ramalho Gomes, ex-presidente da Comissão de Licitação de Rio Largo; Djanete Ferreira de Lima, integrante da Comissão Permanente de Licitação de Rio Largo, Alexandre Laranjeira Leite e Morgana Pedrosa de Barros Torres.

A licitação fraudada

O Gecoc conseguiu descobrir que houve fraude na licitação que contratou serviços de limpeza de fossas que deveriam ter sido executados em escolas públicas municipais, postos de saúde e casas populares.

As investigações foram iniciadas após a análise da Carta Convite nº 06/11, que abriu concorrência para que empresas apresentassem suas propostas para a realização do serviço já descrito. A Resolve Limpeza e Manutenção LTDA teria ofertado o menor preço, com valor de R$ 39 mil. Outras duas, a SEA Comércio e Serviços LTDA e a SERCOMP – Serviços Gerais LTDA, ofereceram orçamentos de R$ 41,9 mil e R$ 43 mil, respectivamente, tendo, portanto, sido descartadas. O certame licitatório foi homologado por Toninho Lins no dia 10 de janeiro de 2011 e anunciou a Resolve Limpeza e Manutenção LTDA como a vencedora do processo. Inclusive, no dia seguinte, a Prefeitura já emitira nota de empenho para que o pagamento pudesse ser efetuado. Entretanto, o valor do serviço não foi pago à pessoa jurídica vencedora.

O cheque do Banco do Brasil nº 857286, da agência 2542, foi assinado em nome da SEA Comércio e Serviços LTDA .

Constatada a primeira fraude, os promotores convocaram, para depoimento, o dono da SEA Comércio e Serviços LTDA. Sérgio Farias de Oliveira informou que sua empresa jamais participara da referida licitação e confirmou que o envelope, o timbre, o carimbo e o papel timbrado acostados no processo licitatório foram falsificados.

José Cícero Ramalho Gomes, ex-presidente da Comissão de Licitação de Rio Largo, em depoimento ao Gecoc, confirmou a existência da fraude e alegou que Alexandre Laranjeira Leite, que não era funcionário da Prefeitura de Rio Largo, seria a pessoa responsável que 'confeccionava as atas e relatórios finais dos processos licitatórios e era quem chegava com as licitações já prontas', apenas para que o Ramalho as assinasse.

Para subsidiar as acusações formuladas na proposta de ação penal, o Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas acostou 70 documentos recolhidos durante os cumprimentos de mandados de busca e apreensão e oito termos de declarações.

A denúncia, que seguiu subscrita pelo procurador-geral Sérgio Jucá, já foi encaminhada ao Tribunal de Justiça de Alagoas, instância competente para julgar político detentor de mandato eletivo. Caberá ao Poder Judiciário decretar, ou não, a prisão de todos os acusados. E, além da prisão, o MPE/AL solicitou ainda que Toninho Lins perca o cargo de prefeito do município de Rio Largo e que ele fique inabilitado para o exercício de funções públicas pelo prazo de cinco anos, sem prejuízo da reparação civil do dano causado ao patrimônio público ou particular.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 107 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal