Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

29/01/2013 - Portal Exame / Reuters Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Governos falham no combate à corrupção na área de defesa

Por: Adrian Croft

Segundo pesquisa da Transparência Internacional, mais de dois terços dos países têm salvaguardas inadequadas para evitar a corrupção em seus setores de defesa.

Bruxelas - Mais de dois terços dos países, incluindo muitos dos principais vendedores de armas do mundo, têm salvaguardas inadequadas para evitar a corrupção em seus setores de defesa, segundo pesquisa divulgada na terça-feira pela entidade Transparência Internacional do Reino Unido.

Alemanha e Austrália são os únicos entre 82 países pesquisados onde há fortes mecanismos de controle da corrupção. Em 57 países (70 por cento), os controles são precários.

É a primeira vez que a TI produz essa lista, levando em conta critérios como a supervisão parlamentar das políticas de defesa e os padrões esperados da indústria bélica. Os 82 países pesquisados responderam por 94 por cento dos gastos militares globais em 2011, num total de 1,6 trilhão de dólares, e a entidade estima que o custo global da corrupção no setor de defesa atinja pelo menos 20 bilhões de dólares por ano.

China, Rússia e Israel, importantes exportadores de armas, aparecem como país sob alto risco de corrupção no setor de defesa. Entre os maiores importadores, Índia, Emirados Árabes, Cingapura, Tailândia e Turquia estão na categoria de alto risco.

Nove países -Argélia, Angola, Camarões, República Democrática do Congo, Egito, Eritreia, Líbia, Síria e Iêmen- estão sob "risco crítico" de corrupção no setor de defesa, sem medidas básicas de atribuição de responsabilidades, segundo a pesquisa.

Entre os países desenvolvidos, EUA, Grã-Bretanha, Suécia e Coreia do Sul estão entre os considerados de baixo risco. Brasil, França, Espanha, Itália e Polônia ficaram no grupo do risco moderado.

A pesquisa examinou não só o potencial de corrupção nos contratos de defesa, mas também o risco de abusos nos orçamentos militares e o risco de corrupção nas Forças Armadas.

Os governos envolvidos na pesquisa tiveram a oportunidade de analisar as conclusões da Transparência.

Mark Pyman, diretor do Programa de Defesa e Segurança da Transparência Internacional no Reino Unido, considerou "chocante" o fato de que, em metade dos países pesquisados, o orçamento de defesa não ser público ou não ser discriminado dentro do orçamento geral.

Apenas 12 por cento dos países pesquisados têm fiscalização parlamentar "altamente eficaz" sobre as políticas de defesa, e poucos protegem que denuncia casos de corrupção nesse setor.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 87 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal