Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

31/01/2013 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Preso bombeiro suspeito de fazer parte de um esquema de fraudes

O valor dos documentos adulterados variava entre R$ 30 mil e R$ 50 mil. Ele está detido no presídio Anastácio das Neves, em Santa Isabel.

Foi preso nesta quinta-feira (31) o subtenente do Corpo de Bombeiros, Alexandre Oliveira de Melo, suspeito de fazer parte de um esquema de fraudes na documentação de imóveis em Belém. Segundo a denúncia, ele recebia até 50 mil reais para adulterar autos de vistoria emitidos pela corporação.

A prisão aconteceu depois que ele prestou depoimento à Justiça Militar, nesta quinta. Ele é o principal suspeito de fraudar autos de vistorias técnicas de prédios construídos em Belém. O documento é necessário para emitir o "Habite-se", que é a certidão que atesta que o imóvel possui todos os itens de segurança.

Interrogado sobre o valor que teria recebido por cada um dos documentos, Alexandre Oliveira de Melo que o valor variava entre R$ 30 mil e R$ 50 mil, dependendo do tamanho do imóvel.
“O que eu fazia para as empresas era justamente orientá-los para que de forma correta esses ‘Habite-se’ saíssem de forma correta do Centro de Atividades Técnicas (CAT), depois das vistorias realizadas pelos tenentes do CAT”, disse em depoimento.

Ainda segundo as investigações, o subtenente usava documentos de imóveis legalizados como modelo para adulterar os que haviam sido reprovados nas vistorias. “A Polícia Militar usou de dois expedientes, fabricando documentos, papel do Corpo de Bombeiros, só fez preencher com dados de outros empreendimentos. Em outra situação, ele fez uma montagem, partindo de um documento original”, disse Neyvaldo Silva, delegado de polícia.

O coronel que denunciou o esquema também prestou depoimento. Ele ficou desconfiado que havia algo errado na documentação quando foi comprar um apartamento da construtora Gafisa. Na época da compra, ele era chefe do CAT, dos Bombeiros, responsável em emitir os autos de vistoria.

“Eu pedi para olhar o Habite-se e verifiquei que tinha indícios de adulteração. Imediatamente comecei a fazer verificações no nosso sistema, juntar as documentações, verificar os outros Habite-ses que estavam adulterados. Juntamos toda a documentação e em três ou quatro dias eu já estava comunicando ao comando do Corpo de Bombeiros”, relatou o coronel Francisco de Assis.

Os Bombeiros confirmaram que autos de vistoria de cinco empreendimentos da mesma construtora foram adulterados, por isso todos serão vistoriados novamente. Até agora, o condomínio Mirante do Lago, em Ananindeua, é o único que ainda não se adequou às normas de segurança.

Os moradores dizem que a porta corta-fogo não fecha e os detectores de fumaça e alarmes de incêndio estão desativados. “Se tiver um incêndio, o sensor e o alarme não serão ativados e a tubulação, que é de borracha, derrete”, disse Regino Oliveira, administrador do condomínio.

O Ministério Público Militar do Estado acredita na existência de um esquema de fraude do Habite-se, que estaria acontecendo há pelo menos cinco meses. Segundo ainda a promotoria militar, é possível que a falsificação dos documentos públicos tenha sido facilitada por outros oficiais do corpo de bombeiros.

O subtenente Alexandre Oliveira de Melo está no presídio Anastácio das Neves, em Santa Isabel do Pará. Segundo a promotoria militar, ele não poderia prestar qualquer tipo de serviço de consultoria a empresas particulares porque isso fere o código de ética da corporação.
O suboficial deve responder pelos crimes de corrupção passiva e falsidade ideológica.

Os promotores também pediram a justiça que seja investigada a conduta dos gestores da Gafisa, responsável pelos empreendimentos.

A próxima audiência do caso está marcada para o dia 7 de março. Devem ser ouvidos os representantes da construtora e dois oficiais do corpo de bombeiros.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 209 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal