Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

24/01/2013 - Tribuna Hoje Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Vereadores e servidora do INSS são condenados por fraude de R$ 11 mi

Esquema comercializava benefícios previdenciários; 14 pessoas foram condenadas.

A Justiça Federal na Bahia condenou 14 pessoas acusadas de integrarem um esquema de comercialização de benefícios previdenciários. A informação foi repassada nesta quinta-feira (24) pelo MPF (Ministério Público Federal) na Bahia, autor da denúncia contra os réus.

Segundo o MPF, a quadrilha teria causado um prejuízo ao erário superior a R$ 11 milhões. A chefe do grupo era uma servidora do INSS (Instituto Nacional da Seguridade Social), que captava possíveis beneficiários. Ela também cobraria, indevidamente, taxa de R$ 10 para agendar atendimento de segurados no INSS.

Além da servidora, dois vereadores e dois funcionários públicos também foram condenados. Os acusados, que não tiveram os nomes informados pelo MPF, foram condenados pelos crimes formação de quadrilha e corrupção ativa e passiva.

A servidora do INSS teve a maior pena, e foi condenada a 12 anos de prisão e multa. Os demais condenados tiveram penas de três anos e três meses a sete anos e nove meses de reclusão, além de multas.

O esquema

A denúncia contra o grupo foi feita pelo procurador da República Samir Cabus Nachef Júnior, com base em investigações da operação "Benevício", deflagrada pela Polícia Federal em 2009 para desarticular quadrilhas que praticavam fraudes contra o INSS e seus segurados.

Para obter os benefícios, a quadrilha falsificaria documentos, mediante pagamento dos segurados. As investigações apontaram que os benefícios eram concedidos apenas após o beneficiário concordar em pagar uma porcentagem do valor recebido do INSS.

Segundo afirma o procurador na denúncia, em alguns casos os beneficiários sequer ficavam sabendo o valor exato que tinha a receber. No caso das aposentadorias rurais, outro tipo de esquema era utilizado.

Como os beneficiários não tinham direito ao benefício ou não possuíam os documentos necessários, intermediários eram orientados por servidores do INSS em Paulo Afonso (BA), falsificavam os documentos necessários e, após negociarem a propina que seria paga a quadrilha, o benefício era solicitado.

Para o MPF, a quadrilha tinha grande conhecimento da legislação previdenciária e sabia dos trâmites necessários para pedir os benefícios. Gravações telefônicas apontam para a existência de diálogos detalhando o esquema. Os condenados podem recorrer da decisão em primeira instância em liberdade.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 101 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal