Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

23/10/2007 - B2B Magazine Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Classes A e B valorizam segurança


Consumidores das classes A e B usam menos a internet e exigem investimentos em sistemas de segurança e tecnologia dos bancos. Essa é uma das principais constatações do Painel da Indústria Financeira 2006 – Premium, divulgado hoje pelo Instituto de Pesquisa Fractal, empresa especializada em pesquisa e consultoria de negócios. O relatório analisa o novo comportamento das classes sociais A e B, em relação às transações bancárias, levando-se em consideração pessoas com renda acima de 4 mil reais.

“Este indicador foi impulsionado pelos casos de fraudes na internet e na invasão dos sistemas bancários. Observamos que, entre 2005 e 2006, houve uma redução significativa de 7% no uso dos canais de internet, tanto para fazer transferências quanto para transações simples, como extratos e pagamento de contas”, afir a Celso Grisi, diretor presidente da Fractal e professor da FEA - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP.

A pesquisa mostra também que a utilização dos serviços de máquinas de auto-atendimento cresceu, em média, 6,5% de 2005 para 2006. Um índice de destaque foi a redução nos contatos por telefone feitos pelos clientes das instituições financeiras.

Nas classes A e B, para cerca de 88%, dos entrevistados o maior atrativo para o uso regular dos bancos é a competitividade nas tarifas e o pequeno grau de desburocratização das agências. Já 89% dos participantes do estudo têm como principal exigência a capacidade de resolução rápida e tomada de providências em caso de erros.

“Tendo como principal meta a redução do número de idas às agências, este tipo de consumidor procura bancos que ofereçam formas alternativas de fazer seu banking, produtos diferenciados e de alta qualidade, além do bom nível de atendimento e rentabilidade nas aplicações”, avalia Grisi.

Outro comportamento bastante identificado na pesquisa é que a alta renda não é completamente atendida somente por um banco. Normalmente, este público faz uso de mais de uma instituição bancária para suprir o conjunto de suas necessidades, bastante diversificadas. Dessa forma, é comum que utilizem um banco para aplicação, outro para pagamentos e movimentações simples e um terceiro destinado a financiamentos.

A pesquisa é realizada anualmente nas capitais São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Recife, Salvador, Brasília, Florianópolis e Campo Grande, nas cidades paulistas de Campinas e Ribeirão Preto, além de Joinville e Blumenau, localizadas em Santa Catarina. Foram entrevistadas 2.481 pessoas, entre 2005 e 2006, com idade entre 31 e 50 anos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 317 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal