Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

04/12/2012 - Yahoo Notícias / Agência O Globo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Presidente da Mundial e executivos viram réus por fraude na Bolsa

Por: Daniel Haidar


RIO - O presidente e controlador da Mundial, Michael Ceitlin, virou réu no processo em que a Justiça analisa fraudes na negociação de ações da fabricante de alicates e esmaltes na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). A 1ª Vara Federal Criminal de Porto Alegre aceitou a denúncia do Ministério Público Federal na noite desta terça-feira e deu prazo de 10 dias para que Ceitlin apresente defesa. Outros nove executivos, que eram sócios da TBCS agentes autônomos de investimentos, também foram acusados.

Ceitlin e Rafael Ferri, um dos ex-sócios da TBCS, respondem por formação de quadrilha, manipulação de mercado e uso indevido de informação privilegiada. Podem ser condenados a cumprir de 3 a 16 anos de prisão e pagar multa equivalente a até três vezes do valor obtido com os crimes.

Outros ex-sócios da TBCS (Diego Buas Boeira, Eduardo Vargas Haas, Guilherme Anderson Weber Toro, Jorge Hund Junior, Marco Beltrão Stein, Paulo Borba Moglia, Pedro Barin Calvete e Rafael Danton Weber Toro) são acusados de manipulação de mercado e formação de quadrilha. Podem pegar de 2 a 11 anos de prisão, além de sofrer a cobrança da multa equivalente ao triplo do valor obtido ilicitamente.

O procurador da república José Osmar Pumes, responsável pelo caso, pediu a condenação dos 10 acusados. Ele argumentou na denúncia que as fraudes foram praticadas de 10 de maio de 2010 a 26 de julho de 2011. O episódio foi batizado como "bolha do alicate". A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) participou das investigações e atua como assistente de acusação na Justiça. O caso também está sob análise em processo na CVM, mas os acusados podem apresentar defesa até o fim de janeiro de 2013.

Segundo as investigações, o objetivo dos acusados era valorizar artificialmente as ações para obter lucros de curto prazo. Ceitlin chegou a divulgar praticamente um fato relevante por dia ao mercado, para atrair investidores e valorizar os papéis. No auge da bolha, em 11 de julho do ano passado, a ação preferencial (PN, sem direito a voto) movimentou R$ 333 milhões em negócios, o quarto papel mais negociado do dia (atrás de Vale, Petrobras e Itaú Unibanco).

No período investigado, as ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Mundial subiram 470,76%, enquanto os papéis PN dispararam 455,80%. Neste intervalo de tempo, o Ibovespa, principal referência do mercado brasileiro, caiu 9,34%.

Desde março deste ano, as ações preferenciais foram extintas e convertidas em ordinárias como parte do plano da empresa de migrar para o Novo Mercado, segmento da Bovespa mais transparente. Mas a operação ainda não foi permitida.

Executivo diz que possui 'provas contundentes' de inocência

O advogado de Ceitlin, Danilo Knijnik, divulgou nota em que diz não ter sido notificado ainda quanto à abertura de processo criminal. Afirma ainda que possui "provas materiais contundentes que demonstram a mais absoluta correção, lisura e licitude dos procedimentos adotados pela companhia e seus diretores", mas que só vai apresentá-las à Justiça.

A advogada de Paulo Borba, Julia Vasconcelos Jardim, informou que ele trabalhava na área administrativa e "nem sabe como foi envolvido".

- Temos provas concretas de que ele não se envolveu na negociação de ações - afirmou a advogada.

O advogado Fabio Medina Osório, que defende Guilherme e Rafael Toro, afirmou que seus clientes declaram "inocência" e "estão dispostos a colaborar com a Justiça".

Após deixarem a TBCS, alguns dos acusados voltaram a abrir empresas para atuar como agentes autônomos, função em que ganham para captar clientes para corretoras. Rafael Ferri abriu a Quantix Investimentos e hoje é sócio da Four Partners, junto com Rafael Weber Toro. Jorge Hund Junior é sócio da QE3 Investimentos. Guilherme Weber Toro é sócio da RPI Nova Era Investimentos. Eduardo Vargas Haas é sócio da BRS agentes autônomos de investimentos. Diego Boeira é sócio da Excellence Investimentos.

Mas, de acordo com consulta disponibilizada no site da CVM, nenhum deles possui atualmente contrato com corretora e por isso não podem distribuir ações, títulos, derivativos ou cotas de fundos de investimento. Uma eventual cassação do registro de cada um só pode ser determinada pela CVM.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 138 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal