Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

13/11/2012 - Jornal Floripa / FolhaPress Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Dona do Banco Rural é condenada a mais de 16 anos de prisão


Os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) aplicaram nesta segunda-feira penas a dona do Banco Rural que, somadas, chegam a 16 anos e 8 meses pelos crimes cometidos no mensalão. Também foi fixada multa de R$ 1,5 milhão.

Pela legislação, Kátia terá que cumprir parte de sua condenação na cadeia. A lei estabelece que penas acima de oito anos devem ser cumpridas inicialmente em regime fechado.

Dirceu vai recorrer de condenação por crimes no mensalão, diz advogado
Genoino é condenado a 6 anos e 11 meses de prisão e deve cumprir semiaberto
Dirceu é condenado a quase 11 anos de prisão por crimes no mensalão
Relator muda e decide iniciar fixação de penas do núcleo político

Por formação de quadrilha, ela recebeu 2 anos e 3 meses de prisão. Pelas 46 operações de lavagem de dinheiro, ela recebeu 5 anos e 10 meses, além de multa de R$ 647 mil. Pelo crime de gestão fraudulenta, ela pegou 4 anos de prisão, com R$468 mil em multa. Ela ainda recebeu 4 anos e 7 meses de prisão por 24 operações de evasão de divisas e multa de R$ 390 mil.

O Banco Rural emprestou R$ 32 milhões para o PT e o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, e ajudou-os a distribuir o dinheiro do esquema a partidos políticos sem chamar a atenção das autoridades.

Na fixação da pena, o relator, Joaquim Barbosa, disse que ela teve papel fundamental para que o esquema do mensalão chegasse a seu objetivo para a compra de apoio parlamentar.

"Kátia ajudou ao colocar seu grupo empresarial a disposição dos membros criminosos, ajudou a colocar em risco o sistema democrático", disse. Ele voltou a falar que o operador do esquema, Marcos Valério, atuou junto ao governo para favorecer o Rural.

"Marcos Valério esteve no Banco Central 17 vezes para tratar de interesses do Rural, certamente contrapartida que pretendia obter, mas não sei se obteve", disse.

Segundo denúncia do Ministério Público, o núcleo financeiro é composto pelos ex-dirigentes do Rural José Roberto Salgado e Vinicius Samarane. Ayanna Tenório foi absolvida pelo Supremo de todas as acusações no processo.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 139 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal