Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

08/11/2012 - Ribeirão Preto Online / Agência Brasil Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia Federal desarticula grupo suspeito de fraudar seguro-desemprego em quatro estados


A Polícia Federal (PF) fez, na manhã desta quinta-feira (8), operação em quatro estados para desarticular um grupo suspeito de fraudar o Programa do Seguro-Desemprego. Duas pessoas foram presas e documentos de pessoas físicas e jurídicas, carimbos, computadores e quatro veículos foram apreendidos.

Além da capital paulista, a operação denominada Chakal ocorreu nas cidades de Catalão (GO), Gurupi (TO), Uberlândia (MG), Ribeirão Preto (SP) e Jaboticabal (SP). Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram expedidos pela 9ª Vara Criminal Federal em São Paulo.

Segundo a PF, o inquérito policial, que teve início em outubro de 2011, foi elaborado a partir da suspeita do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) da ocorrência de fraudes relacionadas a 280 empresas que estariam declarando a contratação e demissão de empregados com o fim de requerer o seguro-desemprego.

“Verificou-se que tanto os sócios das empresas como os requerentes do seguro-desemprego eram fictícios - eles haviam sido criados com a utilização de documentos falsos. O grupo realizava fraudes em grande escala, como se fosse uma grande empresa especializada”, informou em nota a PF.

O MTE estima que a fraude pode superar R$ 30 milhões. No entanto, R$ 7 milhões deixaram de ser pagos devido ao compartilhamento de informações entre técnicos do MTE e a PF para aperfeiçoar os sistemas de controle.

A operação contou com a participação de 61 policiais federais e 7 técnicos do MTE. Ela recebeu o nome de Chakal por ser esse o pseudônimo utilizado pela quadrilha em diversos cadastros efetuados em órgãos federais.

Os investigados responderão por formação de quadrilha, estelionato e lavagem de dinheiro. As penas de cada crime, somadas, podem ir de cinco a 20 anos de prisão.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 97 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal