Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

31/10/2012 - Agência Pará de Notícias Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia Civil do Pará desarticula bando de golpistas que agia em todo Brasil

Por: Walrimar Santos


Investigações coordenadas pela equipe da Delegacia de Repressão a Crimes Tecnológicos (DRCT), da Polícia Civil do Pará, resultaram na prisão de uma quadrilha responsável por aplicar golpes em vítimas em todo Brasil. No total, sete pessoas - três homens e quatro mulheres - foram presas com mandados de prisão preventiva e foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão domiciliar, nesta quarta-feira, 31, na cidade de Praia Grande, litoral sul do Estado de São Paulo.

A operação “Montepio” foi coordenada pela delegada Beatriz Silveira, titular da DRCT, e contou com apoio da Polícia Civil paulista por meio de policiais civis do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos), do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) e do Dipol (Departamento de Inteligência). A operação resultou nas apreensões de materiais utilizados para enganar as vítimas.

Os criminosos enviavam cartas às casas das pessoas com documentos fraudados para parecer correspondência oficial de órgãos públicos. Nas cartas, as pessoas eram informadas de que tinham quantias a receber na Justiça referentes a indenizações. Os envelopes ostentavam timbres de autarquias ou grandes escritórios de advocacia. A vítima acreditava na veracidade da indenização e acabava aceitando pagar taxas a título de custas do processo para liberação do dinheiro.

Os golpistas chegam a usar nomes de desembargadores para aplicar o golpe. A delegada Beatriz Silveira informa que o bando fez diversas vítimas em todo Brasil. Ainda não é possível mensurar o montante do golpe. O grupo era especializado em aplicar o chamado "Golpe do Montepio". As investigações duraram cerca de quatro meses, logo depois que pessoas ligadas ao Poder Judiciário do Pará receberam cartas com documentos timbrados informando das falsas indenizações.

Uma das vítimas de Belém chegou a depositar cerca de R$ 30 mil na conta bancária de “laranjas” utilizada pelos criminosos. Durante as investigações, a Polícia Civil do Pará verificou que a prática criminosa era cometida a partir de um imóvel usado como escritório de advocacia, sediado em Praia Grande (SP). Do local, partiam as ligações dos golpistas que se passavam por advogados.

Ao receber as cartas enviadas, as vítimas eram orientadas no documento a entrar em contato com dois números telefônicos, com DDD do Estado de São Paulo. Nos telefonemas, as pessoas conversavam com os golpistas que se passavam por advogados, de nomes falsos Ana Paula e Renato, responsáveis em acompanhar o processo para liberação das indenizações. Os falsos advogados informavam às vítimas que haviam lhes enviado correspondência com ofício informando que a pessoa teria direito a receber um pecúlio em espécie a título de seguro.

A quantia deveria ser depositada em uma conta corrente de um banco particular. As quantias extorquidas de vítimas em todo Brasil chegam a variar de R$ 75 mil a R$ 280 mil. As vítimas depositavam o valor solicitado pelos golpistas, que desapareciam e não eram mais encontrados. A Delegacia de Repressão a Crimes Tecnológicos do Pará passou a investigar as atividades da quadrilha e, a partir das provas, obteve na Justiça do Pará as decretações das prisões do envolvidos no crime.

Entre os presos estão Hélio Aparecido Teixeira de Campos, que se passa pelo suposto advogado Renato; Bruna Fernanda Xavier, que se identifica como Patrícia; Rosana Alves Pereira, que se identifica como Ana Laura; uma mulher de prenome Luciana, que se identifica como doutora Maria Helena, e um homem conhecido como Júnior, responsável pela obtenção das contas bancárias.

Ao todo, 14 policiais do Garra e quatro investigadores do Dipol deram apoio à equipe da DRCT. Durante o cumprimento das ordens judiciais, diversos cadastros com nomes de possíveis vítimas, computadores, CPUs e telefones celulares foram apreendidos. Os presos e o material apreendido foram levados para a Deic, na capital paulista, para conferência. Na tarde desta quarta-feira, 31, será realizada uma entrevista coletiva a jornalistas, em São Paulo, para apresentar os resultados da operação. A Polícia Civil do Pará informa que irá avisar a imprensa de Belém da transferência dos presos para a capital paraense, cuja data ainda não está definida.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 78 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal