Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

06/10/2012 - R7 / Agência Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Alagoas é líder em candidatos questionados por fraudes e truques

Disputa no Estado tem quase o dobro de problemas da média nacional.

Alagoas vai às urnas neste domingo carregando um título incômodo. Com 102 municípios e 2 milhões de habitantes, o Estado é campeão em candidatos que disputarão as prefeituras sub judice.

São 25 candidatos de 21 municípios - quase um quinto do total de cidades - questionados em processos criminais, ações cíveis e reclamações eleitorais por causa de fraudes e truques engendrados por caciques que tentam se perpetuar no poder.

Desses, oito já foram julgados inaptos e os demais, mesmo ganhando podem não ser empossados, ou cassados em seguida.

A média alagoana é quase o dobro da nacional, segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Na última quinta-feira (4), o TSE confirmou decisão negando o registro da candidatura do ex-governador Ronaldo Lessa (PDT) à Prefeitura de Maceió.

O TSE aceitou os argumentos do Ministério Público segundo os quais Lessa não pode ser candidato porque não pagou até 5 de julho, data final para o registro das candidaturas, uma multa de R$ 41 mil fixada pela Justiça Eleitoral por causa de propaganda eleitoral antecipada em 2006.

Sob pressão, Lessa renunciou à disputa e indicou o presidente do diretório municipal do PDT, Jurandir Boia, para seu lugar.

O Estado tem também um número elevado de candidatos a vereador que disputarão o pleito com pendências na Justiça. Dos 7.126 candidatos às Câmaras Municipais, nada menos do que 554 já foram julgados inaptos em caráter definitivo, segundo o TSE.

Em Arapiraca, segundo maior colégio eleitoral alagoano, a candidatura da deputada Célia Rocha (PTB) à prefeitura é questionada sob a acusação de que ela vive em união estável com o prefeito, Luciano Barbosa (PMDB).

A lei proíbe que um cônjuge substitua o outro no cargo. Luciano nega relação íntima com a deputada, mas evita falar do assunto.

— É baixaria, estão se apegando a questões pessoais para nos atingir. A Justiça validou a candidatura.

Longe de ser exceção, situações como a observada em Arapiraca são comuns em Alagoas. Clãs que dominam a política local usam diversas brechas na lei para colocar parentes e "apadrinhados", como tios, primos, cunhados e até amantes e "laranjas" à frente da prefeitura, quando o titular completa o segundo mandato, para manter o poder nas mãos da família.

Estimativas do Observatório Eleitoral da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) indicam que mais de 50% dos municípios alagoanos são dominados por clãs há décadas.

O prefeito de São Miguel dos Campos, Nivaldo Jatobá (PMDB), após dois mandatos, também colocou a namorada Rosiane Santos como candidata.

Depois que ela se elegeu, os dois se casaram e Jatobá virou secretário-geral da prefeitura. E eles insistiram na dobradinha este ano. Ele se lançou candidato a prefeito e ela a vereadora.

O TRE indeferiu a candidatura, mas Jatobá recorreu ao TSE e disputa sub judice. Jatobá deixou o neto de sobreaviso para alguma emergência.

Caso a candidatura seja impugnada, Nivaldo Neto assume o lugar do avô sem precisar nem sequer mudar o nome na cédula. Célia Rocha, por sua vez, se beneficiou de uma dúvida jurídica que não deixa claro se concubina é parente ou se equivale a união estável.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 253 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal