Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

22/09/2012 - cidadeverde.com Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Empresa que cuida da seleção é suspeita de lavagem de dinheiro

Saudita ISE, que administra os jogos do Brasil até 2022, é acusada de transferir irregularmente R$ 28 milhões.

Uma auditoria apontou irregularidades com a empresa que tem os direitos sobre a seleção brasileira. A ISE, da Arábia Saudita, que chegou a um acordo com a CBF e organiza e administra os jogos do Brasil até 2022, teria pago US$ 14 milhões (aproximadamente R$ 28 milhões) a Mohammed Bin Hammam, ex-candidato ao cargo de presidente da Fifa, suspenso por denúncias de compras de votos, em uma operação de lavagem de dinheiro.

O negócio foi fechado com a ISE cerca de quatro meses antes de Ricardo Teixeira deixar a CBF, em março, com um dado que chama a atenção: a entidade recebe 15% a menos do que em 2006. O valor caiu de US$ 1,15 milhão (cerca de R$2,32 milhões) por jogo para apenas US$ 1 milhão (R$ 2,02 milhões).

Teixeira apoiava Bin Hammam, do Catar, para o cargo de presidente da Fifa, além de votar a favor do país como sede da Copa de 2022. Com isso, a relação entre os dois se estreitou nos útlimos anos.

A auditoria, realizada pela PriceWaterhouse Coopers, apontou o pagamento de US$ 2 milhões pela ISE para uso pessoal do ex-dirigente da Confederação Asiática de Futebol. Já a empresa Al Baraka Investment, ligada à ISE, é responsável pelo pagamento de US$ 12 milhões a Bin Hammam, quando ele ainda comandava a confederação.

A suspeita foi levantada porque o dinheiro transferido passou pelas contas da Confederação Asiática. "É nossa avaliação que a AFC (Confederação Asiática de Futebol) tenha sido usada como um veículo para lavar recursos e que esses recursos foram creditados ao ex-presidente para um uso indevido. A AFC pode ter sido usada como veículo para lavar dinheiro e para o pagamento de propinas", indicou a auditoria.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 98 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal