Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

20/09/2012 - Jornal Floripa / Folha Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Banco Safra terá que indenizar casal por perda no caso Madoff


É um "investimento conservador", de baixo risco. Era assim que o braço americano do Safra definia em e-mails em português a aplicação em um fundo de Bernard Madoff, que faliu em 2008, para dois investidores brasileiros.

A Justiça de São Paulo considerou que houve fraude e mandou o banco indenizar o casal em R$ 458 mil, valor que foi perdido com a quebra.

É o segundo caso de brasileiros indenizados pela falência de Madoff, uma fraude cujas perdas são estimadas em US$ 65 bilhões (cerca de R$ 130 bilhões).

É uma das maiores fraudes da história financeira. Madoff foi condenado a 150 anos de prisão por uma pirâmide financeira: usava aplicações antigas para remunerar as mais novas, até que acabaram os recursos.

Os investidores dizem que o Safra National Bank of New York não informou que a aplicação seria no fundo Kingate Global, de Madoff.

"Uma instituição financeira séria não deveria ter oferecido ao consumidor fundos gerenciados por Madoff, já que a ausência de dados acerca do lastro de investimento induzia claramente à fumaça da fraude", escreveu a juíza Andrea de Abreu e Braga na sentença.

A aplicação era captada em São Paulo, segundo Paulo Iasz Morais, advogado que ganhou a causa. "O nome Madoff jamais era mencionado. Não havia ilegalidade porque meus clientes declararam esse investimento à Receita."

O Safra buscou provar que a Justiça brasileira não tinha competência para julgar o caso, já que a aplicação ocorreu nos EUA. A juíza rejeitou esse argumento, com a alegação de que o recurso foi captado no Brasil.

O banco tentou ainda que a Justiça considerasse ilegítima a ação contra a unidade brasileira, já que foi o seu braço nova-iorquino que cuidou do negócio. Novamente, o Safra foi derrotado.

A juíza aplicou o conceito de conglomerado -a aplicação ocorreu por meio de "pessoa jurídica pertencente ao mesmo grupo de empresas".

Procurado pela Folha, o Safra não quis comentar a disputa judicial.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 118 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal