Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

17/09/2012 - Agência Brasil Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Réus ligados ao PP e à Bônus Banval cometeram crime de formação de quadrilha, diz relator do mensalão

Por: Débora Zampier


Brasília – Na última etapa do julgamento da Ação Penal 470 desta segunda-feira (17), o ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF), concluiu que os cinco réus ligados ao PP – Pedro Corrêa, Pedro Henry, João Cláudio Genu, Enivaldo Quadrado e Breno Fischberg – cometeram crimes ao participar do esquema conhecido como mensalão.

Corrêa, Henry e Genu formaram quadrilha para cometer os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Quadrado e Fischberg também formaram quadrilha, concorrendo para o crime de lavagem de dinheiro.

A condenação ainda não pode ser confirmada porque Barbosa, relator da ação, pediu a suspensão da sessão sem a proclamação parcial dos resultados. O presidente da Corte, Carlos Ayres Britto, chegou a sugerir que o relator concluísse seu voto, mas Barbosa disse que era melhor deixar as coisas como estavam.

Para Barbosa, os réus ligados ao PP se uniram “em nível elevadíssimo” para a prática de crimes, indefinidamente no tempo e com união de desígnio. “Não é mero concurso de agente para um ato criminoso especifico”, disse o ministro, agravando a situação dos acusados.

“Os quatro réus do PP formaram uma associação estável e permanente desde meados de 2003 para corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Durou do segundo semestre de 2003 até o final de 2004”, explicou o ministro. O quarto réu do PP citado pelo ministro, José Janene, não está mais na ação penal porque morreu em 2010.

De acordo com Barbosa, a quadrilha aumentou em 2004, com o ingresso dos réus ligados à corretora Bônus Banval – Enivaldo Quadrado e Breno Fischberg – no esquema. O réu Carlos Alberto Quaglia, da corretora Natimar, também era citado nessa etapa, mas seu caso foi enviado para a primeira instância por erros processuais.

Barbosa explicou que, com a participação da Bônus Banval, inaugurou-se uma nova forma de lavagem de dinheiro. “Começou a entrega em domicílio, uma inovação total. Ninguém precisava se apresentar, o dinheiro era entregue em casa”, explicou.

O julgamento continuará na próxima quarta-feira (19), com a análise das acusações que pesam sobre os réus ligados ao PL, atual PR, da prática dos mesmos crimes. Nesta etapa, estão os então deputados Valdemar Costa Neto e Bispo Rodrigues, e os assessores Jacinto Lamas e Antônio Lamas. O Ministério Público Federal já pediu a absolvição de Antônio Lamas por falta de provas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 86 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal