Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

14/10/2007 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Equipamento para pirataria é comprado em 24 prestações

Por: Márcia Brasil


Uma pista de como a pirataria está disseminada e pulverizada foi encontrada pela polícia no mês passado.
Ao estourar um "laboratório" (local de produção de cópias ilegais de DVDs e CDs) localizado em uma sala comercial, no centro do Rio, a polícia apreendeu quatro carnês das Casas Bahia, referentes à compra da maior parte da aparelhagem usada na produção dos DVDs e CDs piratas: quatro torres, dez gravadores de imagens e de som e três impressoras. O responsável pelo local foi preso.
A equipe da DRCPIM (Delegacia de Repressão contra os Crimes de Propriedade Imaterial) relatou que o "dono do negócio" estava desempregado e comprou os equipamentos em 24 prestações.
"O lucro com a pirataria é enorme. Alguns até quitam o carnê antes do prazo fixado", revela o delegado Ângelo Ribeiro de Almeida Júnior, titular da DRCPIM.
Segundo levantamento da DRCPIM, um CD virgem custa R$ 0,80 e é vendido por R$ 5, enquanto um DVD virgem é comprado por R$ 1,50 e depois vendido por R$ 10.
As investigações mostram que a produção de DVDs, CDs e jogos no Rio de Janeiro está difundida entre homens e mulheres de todas as idades, regiões da cidade e classes sociais.
"A produção e o comércio de cópias ilegais não são centralizados ou organizados. Qualquer pessoa, se quiser, pode se transformar num "pirata". Basta contar com a tecnologia adequada. A única característica que os une é a alegação de que produzem pirataria porque estão desempregados", disse Almeida Júnior.

Produção espalhada

Os locais onde são produzidas as cópias ilegais também são pulverizados. Existem pontos de produção de DVDs e CDs ilegais espalhados por todo o Estado, além de não haver, segundo a polícia, uma grande quadrilha ou região que concentre as cópias ilegais.
Segundo Almeida Júnior, a maior parte da produção é caseira. "Alguns chegam a alugar imóveis apenas para esse fim."
A linha de produção na pirataria é formada normalmente por três pessoas. O proprietário do equipamento pode dividir o trabalho com mais um, que seria um sócio, e "empregar" alguém para vender as cópias na rua ou nos mercados populares -os "camelódromos".
"A pirataria é um meio de subsistência, e não alternativa ao desemprego. A cultura de que "o bom é levar vantagem em tudo" é muito forte em nossa sociedade e precisa ser combatida", defende o delegado.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 653 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal